Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • Triptofano!

    Realmente no Porão qualquer excitação ficaria auto...

  • Veegam

    Como obter Stellar Lumens gratis!https://steemit.c...

  • Firmino

    deus vê a quem a gente faz bem e depois no fim lev...

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!





O "urso" já cá está, mas quanto tempo vai ficar nas bolsas?

Quarta-feira, 27.01.16

touros.jpg

 

O Morgan Stanley concluiu que as quedas acentuadas das acções face ao pico, conhecidas como mercado "urso", duram, em média, 190 dias úteis.


Os "ursos" atacaram os mercados. Os receios renovados em torno da China, juntamente com o colapso do petróleo, acentuaram as quedas das bolsas mundiais no início de 2016, levando vários índices a entrar em "mercado urso" - ao registarem uma desvalorização superior a 20% desde o anterior máximo. Uma situação que deverá agravar-se e durar mais alguns meses, mostram os exemplos anteriores.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 20:32

Como pode Portugal ser afectado pela turbulência nas bolsas?

Terça-feira, 25.08.15

bolsaToquio-perdas.jpg

Nem Wall Street escapou à “segunda-feira negra”. Sinais de que o Ocidente está preocupado com o desempenho da China, a segunda maior economia do mundo.

 

A Bolsa de Xangai, na China, voltou a abrir no vermelho esta terça-feira, depois de uma verdadeira “segunda-feira negra” nos mercados. As perdas iniciais desta manhã rondavam os 6%.

As quedas reflectem uma desaceleração na economia chinesa, o que afecta grande parte do mundo e deixa preocupado o Ocidente.

Mas como pode a instabilidade económica chinesa afectar a economia portuguesa?
Para responder, é importante recordar o volume de exportações para a China e o significativo aumento de investimentos chineses em terras lusas.

Portugal é o quarto país com maior volume de investimento chinês (a seguir ao Reino Unido, Alemanha e França) e o interesse tem crescido desde 2012. Tudo começou com a compra de mais de 21% do capital da EDP pela China Three Gorges.

Nos últimos três anos, o montante do investimento chinês em Portugal ultrapassou os 10 mil milhões de euros. Os negócios estendem-se agora à banca: a seguradora Anbang está em negociações exclusivas com o Banco de Portugal para fechar a compra do Novo Banco. O grupo chinês oferece 3,5 mil milhões de euros.

De cá para lá, no campo das exportações, portanto, o movimento também é ascendente. Os dados mais recentes da AICEP revelam que há mais de 1.100 empresas portuguesas a exportar para a China e que, nos últimos quatro anos, o número de marcas nacionais no mercado chinês cresceu 47%, com um volume de facturação que já ultrapassa os mil milhões de euros.

A segunda maior economia do mundo tem um mercado interno de 1,4 mil milhões de habitantes e ocupa o segundo lugar no ranking mundial em Produto Interno Bruto. Condições que fazem da China um mercado apetecível para as empresas portuguesas que procuram diversificar clientes.

Os dados oficiais confirmam que, de 2010 a 2014, a China passou de 21º para 10º lugar no “ranking” de clientes de Portugal. O sector automóvel lidera a exportações.

Uma preocupação global


As quedas a que assistimos na segunda-feira nas bolsas mundiais reflectem as preocupações do Ocidente quanto ao desempenho da segunda maior economia do mundo.

Xangai registou a maior queda diária em mais de oito anos (fechou a perder 8,49%) e as perdas alastraram-se às principais praças financeiras da Ásia, da Europa e chegaram depois à norte-americana Wall Street.

Esta terça-feira, a Bolsa de Xangai abriu e fechou a cair. A sessão encerrou a perder 7,63%.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 11:00


Pesquisar

 



Contacto

planetacultural@sapo.pt

Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural