Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Comentários recentes

  • Triptofano!

    Realmente no Porão qualquer excitação ficaria auto...

  • Veegam

    Como obter Stellar Lumens gratis!https://steemit.c...

  • Firmino

    deus vê a quem a gente faz bem e depois no fim lev...

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!





Era uma vez a PT

Sexta-feira, 31.10.14

A EDP está indo e a PT já vai!

 

Onde estão as capacidades de governar de quem está levando o país à miséria?

 

Para um aluno poder entrar em medicina, exigem notas altíssimas, o que até se compreende, no entanto, porque é que para ingressar na política qualquer um serve?

 

Neste momento, uma grande percentagem que faz parte do governo e assembleia da república, nem lugar tinham para varredores de rua!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 15:03

Jerónimo aconselha PS a aprender a ganhar eleições com o PCP

Domingo, 01.06.14

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, deixou um recado aos partidos "com problemas internos", numa alusão ao PS, para que aprendam com o PCP a ganhar eleições, em vez de se refugiarem em alterações à lei eleitoral.

 

"Alguns que andam aí, com problemas internos, com problemas críticos em relação aos seus partidos, recorrem ao argumento de que é preciso alterar a lei eleitoral, que é preciso aproximar os eleitores dos eleitos: Aprendam com a CDU. Aprendam com o PCP", disse o dirigente comunista, no encerramento da Festa da Amizade, que decorreu na Cova da Piedade (Almada), destacando o "assinalável avanço eleitoral da CDU" nas eleições europeias.

 

Jerónimo de Sousa falava um dia depois do secretário-geral do PS, António José Seguro, dizer que vai propor na Assembleia da República, até 15 de Setembro, uma nova lei eleitoral para o parlamento, com redução do número de deputados para 180 (actualmente são 230) e a possibilidade do eleitor escolher o seu deputado, através do duplo voto, ou da criação de círculos de um só deputado.

 

"Vejam este colectivo partidário, este espaço que é a CDU, que contou com milhares e milhares de comunistas, de ecologistas, de muitos independentes, democratas que se revêm neste espaço da CDU, que foram autênticos candidatos, demonstrando assim que o problema não está na lei, o problema está na forma como os outros agem junto dos eleitores, junto das massas populares", desafiou.

 

Em contraste com o avanço da CDU, que passou de 10,7% dos votos para 12,7% e aumentou o número de mandatos para três, Jerónimo de Sousa focou também o "revés" dos partidos da 'troika' (PS, PSD e CDS) e da sua política, "claramente condenada nas urnas", o que foi atestado "pela redução da expressão eleitoral dos três partidos" que viram a sua votação reduzir-se de 66% em 2009 para 59,1% em 2014, perdendo mais de 400 mil votos.

 

O secretário-geral do PCP insistiu na ideia de que o Governo está "contra a Constituição", ao "confrontar" o Tribunal Constitucional e a Constituição pela oitava vez, e lembrou que o Presidente da República não pode esquecer que perante os portugueses "jurou cumprir e fazer cumprir" a Constituição da República Portuguesa.

 

O Tribunal Constitucional chumbou na sexta-feira três normas do Orçamento do Estado para 2014, incluindo os cortes dos salários dos funcionários públicos a partir dos 675 euros, mas a decisão não tem efeitos retroactivos. Os juízes do Palácio Ratton consideraram ainda inconstitucional a aplicação de taxas sobre os subsídios de doença (5%) e de desemprego (6%) e o cálculo das pensões de sobrevivência.

 

 

 

In' RR

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 23:02

Moção de censura do PCP vai ser discutida na sexta-feira

Segunda-feira, 26.05.14

A sexta moção de censura com que o actual Governo se vê confrontado deve ser debatida na próxima sexta-feira, dia 30. O anúncio foi feito esta tarde pelo líder parlamentar dos comunistas, João Oliveira (na foto), que apresentou o texto da moção. "Seria impensável não apresentar uma moção de censura ao Governo no quadro político com que estamos confrontados, estamos a cumprir a nossa obrigação", justificou o deputado.

 

De acordo com o Regimento da Assembleia da República, uma moção de censura é obrigatoriamente debatida três dias depois de ser apresentada. "Apontamos [a entrega para] amanhã para que debate aconteça sexta-feira", explicou João Oliveira. Para sexta-feira estava agendado o debate quinzenal com o primeiro-ministro. Com um debate de uma moção de censura, é expectável que todos os ministros marquem presença no hemiciclo – tem sido assim nas moções anteriores.

 

Para João Oliveira, o resultado de 27,7% nas Europeias "confirma que este Governo tem perdido base social e política de apoio e está numa situação em que não há correspondência entre a vontade dos portugueses e a maioria na Assembleia da República".

 

O texto integral da moção de censura só será conhecido amanhã. O PS já anunciou que vai votar a favor do texto dos comunistas. Este domingo, António José Seguro chegou a afirmar que a moção de censura do PCP é um "claro frete ao Governo".

 

A moção de censura do PCP foi anunciada por Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, depois de serem conhecidos os resultados oficiais das Europeias. A CDU obteve o melhor resultado desde 1989 e conseguiu eleger três eurodeputados, mais um que em 2009.

 

 

 

In' Jornal de Negócios

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 21:45

Bernardino Soares louvado por todas as bancadas no "adeus" após 18 anos

Sexta-feira, 18.10.13


O deputado sai da assembleia para assumir a presidência de Loures. João Oliveira é o novo íder parlamentar PCP

 

O líder parlamentar do PCP, Bernardino Soares, que hoje cessou funções como deputado para liderar o município de Loures, viu o seu trabalho e "lealdade" elogiados por todas as bancadas, após 18 anos de atividade, merecendo uma ovação de pé.

 

"Gostava de me despedir com a mesma frase de um camarada em ocasião semelhante - Otávio Teixeira: 'tive muita honra em ser deputado'", afirmou o militante comunista, que tomará posse na Câmara Municipal de Loures a 22 de outubro.

 

Os líderes dos grupos parlamentares social-democrata e democrata cristão, respetivamente Luís Montenegro e Nuno Magalhães, reconheceram a "capacidade de trabalho" do deputado do PCP, classificando-o como "um dos deputados com a maior expressão de lealdade do parlamento", frisando a "capacidade de diálogo e de abertura".

 

"Apesar das naturais divergências que separam os grupos parlamentares de CDS e PCP, gostava de reconhecer a competência, inteligência, capacidade de trabalho e o sentido de humor particular, na defesa intransigente do prestígio desta casa", afirmou Nuno Magalhães que se despediu com um "até já... e não digo o resto".

 

O socialista Alberto Martins, o bloquista Pedro Filipe Soares e a ecologista Heloísa Apolónia sublinharam também a "coerência", "empenho", "frontalidade", "capacidade de compreensão e diálogo" de um "grande homem que sabe tanto estar na política".

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 21:56

Oposição diz que saída de Maria Luís Albuquerque é inevitável

Terça-feira, 17.09.13
“A ministra sabia que o financiamento [da Estradas de Portugal] dependia da contratação de um ‘swap’ com elevada complexidade”. A acusação é do PCP, numa tarde em que os partidos da oposição foram unânimes em considerar que a saída de Maria Luís Albuquerque é inevitável. A ministra “mentiu” ao Parlamento, pelo que não pode sair “impune” deste processo, consideram os partidos de esquerda.
 

Maria Luís Albuquerque está sob fogo cruzado. Depois de ter garantido que não teve envolvida na contratação de “swaps”, Almerindo Marques afirmou, na última segunda-feira, que foi a actual ministra das Finanças quem deu autorização à contratação de um “swap”, enquanto este era presidente da Estradas de Portugal.

 

O Ministério das Finanças garante que Maria Luís Albuquerque, enquanto técnica do IGCP, só aprovou o empréstimo da Estradas de Portugal e não o “swap” que lhe estava associado. O parecer que aprova o empréstimo dá aval ao "swap", sem que se conheçam os seus pormenores.

 

Os partidos da oposição são unânimes na interpretação deste episódio. A ministra mentiu ao Parlamento e tem de sair do cargo que ocupa.

 

Carlos Zorrinho acusou a ministra de ter “mentido” na comissão de inquérito. “Se alguma dúvida ainda existisse, o esclarecimento hoje enviado pelo Ministério das Finanças esclarece em absoluto essa dúvida”, salientou o líder da bancada parlamentar do PS numa declaração aos jornalistas.

 

O responsável socialista recordou as palavras de Maria Luís Albuquerque durante a comissão de dia 25 de Junho, altura em que a ministra garantiu que “enquanto esteve no IGCP, não teve qualquer contacto com ‘swaps’, nem do IGCP nem de natureza nenhuma.

 

Sabemos agora que, primeiro houve contacto, e em segundo assinou de cruz. Teve exactamente o mesmo comportamento de que acusou os seus colegas secretários de Estado e gestores públicos, um comportamento que levou à demissão desses gestores públicos e desses secretários de Estado”, afirmou.

 

“Não há nenhuma razão para a ministra das Finanças ficar impune neste processo nem nenhuma razão para o PSD continuar a atirar areia para os olhos”, acrescentou, sublinhando que: “A ministra das Finanças, por razões éticas não pode continuar a ocupar o cargo que ocupa.”

 

PCP diz que há “provas avassaladoras de que ministra mentiu ao Parlamento”

 

Já o PCP considera que há “provas avassaladoras de que a ministra mentiu ao Parlamento”, referindo-se ao parecer de Maria Luís Albuquerque, de Junho de 2010, onde a agora ministra das Finanças “autorizou a contratação de um ‘swap’ agarrado a um financiamento.”

 

“A ministra sabia que o financiamento dependia da contratação de um ‘swap’ com elevada complexidade”, sublinhou Paulo Sá numa declaração aos jornalistas.

 

O responsável do partido comunista salienta que Maria Luís Albuquerque “negou que tivesse qualquer envolvimento” na contratação de “swaps”, mas o documento divulgado esta terça-feira, 17 de Setembro, “vem demonstrar que Maria luís Albuquerque mentiu ao Parlamento.”

 

Posto isto, “entendemos que [a Ministra] não tem condição para continuar no Governo.”

 

BE: Ministra “não tem estado à altura nem da verdade nem do cargo que ocupa”

 

Está “demonstrado que a palavra que a ministra tinha dado não é consentânea com os documentos” agora conhecidos.

 

A ministra “disse que não tinha qualquer envolvimento na contratação de ‘swaps’”, mas “o parecer hoje enviado pelo Ministério indica que ministra deu parecer positivo à contratação de ‘swaps’”, salientou Pedro Filipe Soares.

 

O responsável do Bloco de Esquerda acusou Maria Luís Albuquerque de fazer um “jogo de palavras” e de ter adoptado uma postura de “obscuridade”, de quem não quer esclarecer a verdade.

 

A ministra “não tem estado à altura nem da verdade nem do cargo que ocupa”, considerou, apelando a que “o Governo tenha um pingo de ética, uma vez que a ministra não conhece de todo a palavra” e que o primeiro-ministro reconheça que “é inevitável a demissão da ministra.”

 

Pedro Filipe Soares acusa Passos Coelho de estar a “a proteger o que é indefensável.” 

 

Maria Luís Albuquerque vai ser chamada, novamente, à comissão de inquérito à celebração de contratos de cobertura de risco especulativos por parte de empresas públicas. A audição irá ocorrer em Outubro, revelou o deputado do PCP Paulo Sá.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 20:53

Não há acordo entre PS, PSD e CDS

Sexta-feira, 19.07.13
António José Seguro revelou esta sexta-feira que o "PSD e o CDS/PP inviabilizaram um compromisso de salvação nacional". Numa declaração ao País, após ter estado reunido com Cavaco Silva em Belém, o líder socialista garantiu que o PS "fez tudo o que devia" durante as negociações.
 

O secretário-geral do PS revelou esta sexta-feira que o "PSD e o CDS/PP inviabilizaram um compromisso de salvação nacional".

 

Após oito reuniões, em seis dias de negociações entre os três partidos, António José Seguro apontou na sua declaração ao país todas as propostas defendidas esta semana pelo Partido Socialista, sublinhando que “durante esta semana fizemos tudo o que devíamos”. “Estivemos a lutar por soluções realistas para os graves problemas dos portugueses, das empresas e das famílias”, asseverou.

 

“Mesmo assim, o PSD e o CDS inviabilizaram um compromisso de salvação nacional”, disse Seguro, sublinhando que não há acordo.

 

“O actual governo ignorou sistematicamente o PS, mas mesmo assim o PS disse ‘sim’ ao senhor Presidente da República. Eu próprio, como líder do PS, impus-me ao silêncio e cancelei toda a actividade pública. Infelizmente nem todos assim o fizeram”, criticou.

 

“Durante esta semana batemo-nos para que não houvesse mais despedimentos e cortes salariais na função pública. (…) Durante esta semana batemo-nos para que o governo parasse com as políticas de austeridade, e em particular para que não aplicasse os cortes de 4,7 mil milhões de euros. (…) Trabalhámos para a diminuição do IVA da restauração de 23% para 13%. (…) Batemo-nos contra a privatização da TAP, da Águas de Portugal, da RTP e da CGD”, referiu. “Durante esta semana, trabalhámos pelo equilíbrio e sustentabilidade da despesa pública, (…) pela renegociação das maturidades dos empréstimos concedidos. (…) Durante esta semana, lutámos pelo apoio ao investimento público e privado”, exemplificou ainda.

 

“Que fique claro para todos os portugueses o que cada um defendeu”, declarou o líder do PS depois de elencar tudo o que o partido defendeu neste diálogo interpartidário. “A nossa posição está pública no site do PS”, disse ainda.

 

“Alguns olham para as limitações do país e resignam-se. Eu olho para as potencialidades dos portugueses e quero aproveitá-las. Bem hajam”, concluiu Seguro.

 

Já depois da declaração, nas respostas aos jornalistas, Seguro salientou que considera que “durante esta semana, houve conversações que mostraram que nalgumas propostas é possível haver convergência”. “É o resultado positivo desta semana. O PS, ao ter conseguido essa convergência, não deixará de a aproveitar para colocar essas propostas ao serviço dos portugueses”, afirmou.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 20:54

Moção de censura foi rejeitada com 131 votos da maioria PSD/CDS

Quinta-feira, 18.07.13
Após mais de três horas de debate da moção de censura apresentada pelos Verdes, o chumbo do Governo foi afastado pelos votos da direita.
 

Os votos a favor de PS, PCP, Bloco e Verdes não foram suficientes para derrubar o Governo. A moção de censura apresentada pelo partido ecologista teve 87 votos a favor de todas as bancadas da esquerda, que se revelaram insuficientes face aos 131 votos contra do PSD e CDS, os partidos que suportam o Executivo. Foi a quinta moção de censura que o Governo enfrentou e ultrapassou.

 

Quando a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, anunciou os resultados, as bancadas do PSD e do CDS irromperam num aplauso ruidoso que durou alguns minutos. Alguns deputados socialistas foram saindo da bancada enquanto a maioria aplaudia o chumbo da moção.

 

No debate, o PS chegou a criticar o “triste serviço” que resulta da apresentação da moção de censura, por considerar que beneficia a direita. Paulo Portas demonstrou ter um entendimento semelhante, ao afirmar que uma moção de censura que é rejeitada “é uma espécie de moção de confiança”. “Uma censura que não censura, confia”, resumiu.

 

No final, um dos cidadãos presente nas galerias atirou um chinelo para o meio do hemiciclo, sendo retirado de seguida pelas autoridades.

 

Os partidos da maioria, principalmente o PSD, insistiram durante quase todo o debate que a moção, rejeitada, tem um significado: o apoio parlamentar ao Governo. “Se for aprovada, o Governo é demitido, se não for, então tem a confiança do Parlamento para prosseguir”, atirou Luís Montenegro. A esquerda pediu uma ida a votos. “Qual é o seu medo de eleições? Parecia, há pouco, que falava do país das maravilhas, então qual é o seu medo?”, ironizou Heloísa Apolónia, dos Verdes.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 21:54

Cavaco Siva quer acordo de “salvação nacional” com eleições a partir de Junho de 2014

Quarta-feira, 10.07.13

O presidente da República, Cavaco Silva quer acordo de “salvação nacional” com eleições a partir de Junho de 2014, sendo que o acordo terá de incluir o PS em conjunto com o PSD e o CDS, partidos estes que, assinaram o memorando de entendimento com a troika.

 

Agora, vamos ver o que diz António José Seguro, será que ele vai aceitar entrar no acordo da Salvação Nacional?

 

....hum...hum...hum....

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 21:12

Secretário de Estado do CDS Filipe Lobo d'Ávila diz que não vai demitir-se

Quarta-feira, 03.07.13
O secretário de Estado da Administração Interna, Filipe Lobo d'Ávila, membro do CDS-PP, afirmou hoje que não vai apresentar a demissão, após a "decisão irrevogável" do líder democrata-cristão, Paulo Portas, de sair do Governo.
 

"Se a apresentasse, não teria estado aqui presente neste debate", limitou-se a dizer o responsável governamental, questionado pelos jornalistas, à margem de um debate parlamentar sobre regulamentação dos 'grafitis', depois de ter estado na reunião da comissão executiva dos democratas-cristãos.

 

Lobo d'Ávila acompanhou o ministro da tutela, o social-democrata Miguel Macedo, na Assembleia da República.

 

Das 13:00 às 17:00, a comissão executiva do CDS-PP esteve reunida para analisar a crise política provocada pelas demissões de Portas e do outro ministro de Estado, Vítor Gaspar, responsável pelas Finanças.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 19:35

Troika novamente em Portugal para preparar oitava avaliação

Segunda-feira, 24.06.13

A Troika chegou a Portugal para preparar oitava avaliação!

 

Mas afinal quando é que os "troikanos" nos deixam em paz?

 

Eles mais parecem carraças e ainda por cima, não trabalham de borla!

 

Será que o jogo dos "troikanos" só acaba quando existirem novas eleições a que o próximo governo não seja do PSD?

 

Já lá vão uns meses que diziam que Portugal podia voltar aos mercados, só os tempos vão-se passando e de melhoras não se vê nada, apenas se isto piorando!

 

Se este Governo não sabe governar, que "arreie"!

 

Já estamos cheiíssimos desta gente (PSD) que até nem sabe o que está fazendo na Assembleia da República!

 

São uns paus mandados e são uma grande vergonha para o povo Português! 

 

 

Façam um favor a quem gosta de Portugal.....metam férias e desapaçam daí....!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 19:53


Pesquisar

 



Contacto

planetacultural@sapo.pt

Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural