Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Mulher vê rosto de irmão morto noutro homem

29.05.15, Planeta Cultural

Família decidiu doar rosto de jovem morto num atropelamento para transplante a homem que ficou desfigurado ao disparar acidentalmente uma espingarda. Cadeia de televisão promoveu emocionante encontro entre irmã e homem transplantado.

casal.jpg

Rebekah Aversano viu - e tocou - o rosto transplantado do seu irmão, pela primeira vez num emocionante encontro com Richard Norris, que ficou desfigurado ao disparar acidentalmente uma espingarda em 1997. O encontro foi filmado pelo programa "60 minutos Austrália" e será transmitido neste fim de semana.

 

O irmão de Aversano, Joshua, de 21 anos, morreu atropelado por uma carrinha, há três anos, quando atravessava uma rua.

 

A família de Maryland decidiu doar o rosto a Richard Norris. O homem de Virginia já tido sido submetido a dezenas de operações convencionais para tentar reparar os danos do acidente de 1997. Na altura, tinha 22 anos. As intervenções tiveram um êxito limitado, deixando-o deprimido e com tendências suicidas.

 

A doação da família Aversano deu-lhe agora outra hipótese. Num dos transplantes de rosto mais complexos da história, uma equipa da Universidade de Maryland Medical Center levou 36 horas, em março de 2012, a transplantar dentes, mandíbula, músculos da língua e nervos.

 

Norris, agora com 39 anos, agradeceu a Rebekah num encontro em sua casa, em Virginia. Estendendo a mão, perguntou: "Importa-se que lhe toque na cara?" Depois do contacto com o rosto transplantado, comentou: "Uau, esta é a cara com que cresci".

 

A mãe de Joshua, Gwen, disse numa entrevista televisiva que a doação foi a coisa certa a fazer. "Podemos ver o nosso filho nele", afirmou. "Conseguimos mesmo ver as semelhanças. Estamos muito satisfeitos de termos sido capazes de ajudá-lo. Mesmo com uma perda tão trágica, fomos capazes de dar a alguém o benefício de nosso filho. "

 

Norris disse que antes do transplante viveu o inferno. Só saía à noite, para minimizar o contacto com outras pessoas, ou usava máscaras para disfarçar os ferimentos horríveis causadas pela explosão da espingarda. "Ouvi todo o tipo de observações, a maioria eram realmente horríveis ", contou.

 

Mesmo com apenas 50% de hipótese de sobrevivência, Norris assumiu o risco da cirurgia e da enorme responsabilidade de ter um rosto "estranho".

 

Norris não pode beber, fumar ou apanhar banhos de sol e tem de tomar, para o resto da vida, imensos medicamentos para evitar a rejeição do transplante.

 

O primeiro transplante parcial de rosto do mundo foi realizado de 2005, em França, a uma mulher que foi atacada pelo seu cão. Dos 27 transplantados, quatro já morreram.

 

 

 

Para visitar a fonte da informação, clique aqui