Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]






Comentários recentes

  • Triptofano!

    Realmente no Porão qualquer excitação ficaria auto...

  • Veegam

    Como obter Stellar Lumens gratis!https://steemit.c...

  • Firmino

    deus vê a quem a gente faz bem e depois no fim lev...

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!





Fusão Atlântico-Millennium confere maior solidez ao sistema financeiro”

Sábado, 24.10.15
Os accionistas dos Bancos Atlântico e Millennium Angola decidiram reforçar a parceria estratégica já existente, com a fusão das duas instituições, criando, deste modo, o Banco Millennium Atlântico. Para o economista Lopes Paulo essa fusão trará vantagens para o sistema financeiro nacional, conferindo maior solidez, estabilidade e menos risco de falência. 
 
"O Banco Millennium tem sido um dos bancos mais interventivos em termos de financiamentos de projectos empresariais. Com a fusão poderá aumentar esta capacidade, dado o aumento do capital”Lopes Paulo realçou que havendo uma redução significativa da poupança familiar e empresarial alguns bancos terão as suas actividades mais reduzidas. Recordou que as estatísticas publicadas pelos bancos, relativamente ao número de clientes, define a sua grandeza, quer na quantidade dos clientes quer no valor dos depósitos, e, em Angola o que se constata é que a maior parte dos bancos partilham os mesmos clientes. “Os clientes do BFA são os mesmos do BIC, por exemplo”, disse.
 
Deste modo o especialista prevê, perante a actual situação financeira do país, que algumas instituições bancárias venham a perder clientes, e, consequentemente, transformem-se em casas de câmbios, ou acabem por encerrar as portas.
Lembrou o ocorrido nos Estados Unidos e nalguns países europeus onde alguns bancos encerraram e precisaram de uma intervenção do Estado.
 
No caso de Angola, referiu-se ao caso BESA, que no ano passado precisou de uma intervenção do Estado. Com o Estado a não poder estar disponível, no momento, para qualquer intervenção financeira numa instituição bancária e com as famílias a depositarem cada vez menos as suas poupanças nos bancos, Lopes Paulo referiu-se a fusão entre os bancos, como a melhor opção neste período.
 
Para o Presidente da Associação Angolana de Bancos (ABANC) a fusão representa maturidade, sabem onde querem chegar. Para o sistema financeiro, disse representar mais-valia, por haver recursos que se juntam como financeiros e capital humano. Amílcar Silva referiu prever bons resultados nesta parceria. “O BPA está mais virado para o corporate e o Millennium é mais virado para o retalho com um elevado número de agências”.
 
Segundo Amílcar Silva geralmente uma fusão é feita tendo em conta a necessidade dos bancos em crescer. “Para crescer é preciso capital e a crise não liberta capitais”, referiu.O Presidente da ABANC acrescentou que o nosso sistema bancário é bastante concentrado com a existência de apenas cinco bancos no topo, que detêm um fatia muito grande cerca de 70% e que os restantes 20 bancos têm que conviver com os restantes 30% do mercado.
 
Nova instituição financeira, maior liquidez
 
Os bancos Privado Atlântico e Millennium Angola acordaram recentemente a fusão das duas instituições criando o Banco Millennium Atlântico com uma quota de mercado de cerca de 10%.Segundo dados a que o SE teve acesso, a nova instituição financeira congrega os actuais accionistas dos dois bancos e abre o capital ao público através de um IPO (Oferta Pública Inicial de Acções) de 33% do capital. O banco terá como presidente o angolano Carlos Silva, que é vice presidente do Conselho de Administração do BCP.
 
O Millennium Atlântico terá assim um dos maiores níveis de fundos próprios do sistema financeiro angolano, com um valor superior a 800 milhões de dólares. Com mais de dois mil funcionários, 150 sucursais em todo o país e mais de 500 clientes. “A nova instituição cria sinergias e ganhos de escala, que permitem disponibilizar uma oferta ainda mais direccionada para os desafios e necessidades das famílias, onde se inclui o forte compromisso no crescimento da inclusão bancária, através da sua rede nacional e através de soluções tecnológicas de banca digital”, lê-se no comunicado a que o SE teve acesso.
 
O Millennium Atlântico posiciona- se como o líder no Programa Angola Investe, com uma quota de 30%, e é, de acordo com a informação, o segundo maior banco privado em Angola no volume de crédito às famílias e às empresas.O Millennium Bank (BMA) foi criado no final da década passada e tem quotas de mercado de 4% no crédito e 3% nos depósitos. Estas quotas de mercado conferem ao BMA o estatuto de sexto maior banco angolano no crédito e oitavo maior nos depósitos.
 
O Millennium Bank Angola é controlado em 50,1% pelo BCP e o banco português vai, agora, ficar com 20% da nova entidade mas vai nomear 5 dos 15 administradores.
Já o Atlântico é, informa o BCP, o quinto maior banco em Angola em ambos os segmentos. Foi fundado em 2006 por Carlos Silva, que saiu, na altura, do BESA. Carlos Silva foi, aliás, um dos fundadores dessa instituição e quando saiu, em 2005, era administrador executivo. Saiu em 2005, portanto, para fundar o Banco Privado Atlântico, que aposta nos segmentos de clientes empresariais e banca privada em Angola.
 
O memorando de entendimento entre bancos prevê para o novo banco um Conselho de Administração constituído por 15 membros, dos quais 5 nomeados pelo Millennium bcp, bem como uma Comissão Executiva de 7 membros, incluindo 2 indicados pelo Millennium bcp. O Millennium bcp indicará ainda um dos vice-presidentes do Conselho de Administração, o qual presidirá à Comissão de Riscos ou à Comissão de Auditoria, bem como um dos vice-presidentes da Comissão Executiva”.
 
O Banco Atlântico é o 5º maior em Angola em termos de crédito e de depósitos, com quotas de mercado de 7% e 6%, respectivamente.O activo do Atlântico atingiu 449 mil milhões de Kwanzas em 30 de Junho de 2015, com crédito sobre clientes de 241 mil milhões de Kwanzas e depósitos de 353 mil milhões de Kwanzas.
 
 
O Banco Millennium é o 6º maior do sistema bancário angolano em crédito e o 8º maior em depósitos, com quotas de mercado de 4% e de 3%, respectivamente, tendo atingido activos totais de 287 mil milhões de Kwanzas, crédito sobre clientes de 129 mil milhões de Kwanzas e depósitos de clientes de 204 mil milhões de Kwanzas no final de Junho de 2015.
 
O comunicado afirma que os accionistas do Banco Atlântico, propriedade da sociedade angolana Global Pactum, com 72,35 por cento, e do Banco Millennium Angola, “decidiram reforçar o seu compromisso com o país, elevando a um novo patamar a parceria estratégica já existente”.
 
 

Se desejar visitar a fonte da informação, clique aqui
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 11:20

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Pesquisar

 


subscrever feeds


Contacto

planetacultural@sapo.pt

Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural