Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Comentários recentes

  • Triptofano!

    Realmente no Porão qualquer excitação ficaria auto...

  • Veegam

    Como obter Stellar Lumens gratis!https://steemit.c...

  • Firmino

    deus vê a quem a gente faz bem e depois no fim lev...

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!





Fábrica de biscoitos de Valongo viveu a revolução em ano de centenário

Sexta-feira, 25.04.14

A Fábrica Paupério, de Valongo, comemorou o centenário no ano da Revolução dos Cravos, um período de viragem para uma empresa que tem procurado "acompanhar as exigências do mercado mas sem deixar cair a receita tradicional".

 

Na manhã em que, em Lisboa, se vivia intensamente o 25 de Abril, no centro de Valongo (distrito do Porto) as funcionárias da fábrica de bolachas e biscoitos Paupério foram trabalhar normalmente.  

 

Assistiram à revolução pela televisão "enquanto os patrões estavam fechados no escritório".  

 

"Comemorávamos os 100 anos [a empresa nasceu em 1874] e os patrões iam fazer um jantar mas anularam. Depois deram-nos medalhas mas sem festa. Havia receio do que o futuro reservava", descreveu a operária Carmem Carvalho, na Paupério desde 1971.

 

 A empresa tinha, em 1974, 68 funcionários. Hoje, são 28. Mas o actual dono, Eduardo Sousa - "filho" da 5ª geração de gestores desta fábrica que já está legalmente entregue à 6ª geração - garante que o volume de negócios é "praticamente o mesmo porque a Paupério procurou modernizar-se sem deixar cair a receita tradicional".  

 

A principal marca do 25 de Abril foi a "incerteza" que gerou "alguma estagnação" até "mais ou menos" à década de 1990, admitiu.  

 

Em 1974, era dono da fábrica Eduardo Joaquim Reis Figueira, conotado com o antigo regime por ser membro da Assembleia Nacional, mas "uma pessoa de natureza boa que acudia muito a todos", contou o neto, vincando a ligação do avô à Santa Casa de Misericórdia.  

 

"Ele encarou a revolução como um acontecimento natural até à altura em que lhe expropriaram uma propriedade para construir uma escola. As escolas tinham de ser construídas para garantir o avanço da educação, mas entre aproveitar um terreno baldio e um que produzia 50 pipas de vinho, preferiram o terreno cultivável. O baldio permanece sem ser usado", contou à Lusa.  

 

Essa escolha "magoou" Eduardo Figueira, ainda que o neto olhe agora para o episódio como "danos colaterais de qualquer revolução" e retire dele a mensagem de que "é possível manter o lado familiar, mas é essencial a adaptação aos novos tempos".  

 

Carmem Carvalho nota diferenças. "Antigamente, o trabalho era todo à mão e agora há mais tecnologia, apesar de se manter o artesanal", descreveu.  

 

Além das vendas no mercado nacional, actualmente a Paupério exporta para Inglaterra, França, Suíça, Canadá, China e Timor-Leste.  

 

Com a crise em 2008, a Paupério ganha o mercado 'gourmet', ao qual Eduardo Sousa chama de "mercearias finas", e actualmente estuda uma possível entrada no Brasil e em Angola para "agarrar o lado saudosista" da emigração lusa e protagonizar um regresso à pré-Revolução.  

 

O segredo da longevidade está na "harmonia entre herdeiros" e "tão bem guardado quanto as receitas" dos bolos de milho, fabricados na Paupério, que Eduardo Sousa garante que Camilo Castelo Branco comia enquanto "escrevia sobre amores".  

 

Das fivelas, aos fidalguinhos, mimosas, torcidos ou limonados são mais de quatro dezenas de especialidades que compõem os sortidos da Paupério, que faz sazonalmente pão-de-ló (na Páscoa) e bolo-rei (Natal).    

 

Desta fábrica saíam cinco toneladas de bolo-rei em 1974, mas agora apenas uma tonelada e meia, fruto da concorrência e da abolição do alvará, em 1980, que não permitia a todos os confeiteiros e padeiros usar a receita.  

 

O departamento de produção trabalha em turnos de dez horas de segunda a quinta-feira desde Janeiro de 2013, ficando com a sexta-feira livre, uma "novidade" que a direcção entendeu introduzir em jeito de "estímulo".

 

 

In' Jornal de negócios

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 14:39


Pesquisar

 



Contacto

planetacultural@sapo.pt

Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural