Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Tags

Mais tags



Comentários recentes

  • Triptofano!

    Realmente no Porão qualquer excitação ficaria auto...

  • Veegam

    Como obter Stellar Lumens gratis!https://steemit.c...

  • Firmino

    deus vê a quem a gente faz bem e depois no fim lev...

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!





Diabetes: O fim da picada

Domingo, 20.07.14

A FDA aprovou uma forma de insulina inalável. É a promessa do adeus às injeções diárias para milhões de diabéticos em todo o mundo

 

À terceira foi de vez. O milionário Alfred Mann não desistiu até ver o seu projeto de milhares de milhões de dólares passar no crivo da Food & Drug Administration (FDA), o organismo americano que controla a qualidade dos medicamentos. E, assim, conseguiu a segunda aprovação da história para uma forma de insulina inalável, desta vez para a sua empresa, a MannKind.


Há quase cem anos que o tratamento da diabetes abre o caminho à inovação médica. O mercado é apetecível - são já 347 milhões de doentes, em todo o mundo, e a tendência tem sido de subida. A última grande novidade chegou no final de junho e deixou médicos e, sobretudo, pacientes a sonharem com o fim das picadas diárias. Aplicada num aparelho com a forma de um apito, esta insulina em pó demonstrou a mesma eficácia no controlo dos valores de glicose no sangue, sem efeitos adversos assinaláveis.


Mesmo assim, quem tem boa memória, não esquece o desaire que foi a primeira tentativa de substituição do injetável. Em 2007, um produto também inalável, da Pfizer, seria retirado do mercado porque obrigava à administração de uma dose dez vezes superior, que acabava por ficar retida nos pulmões. Além disso, era demasiado caro e podia trazer complicações respiratórias.


O medo das agulhas


Agora, Mann, um outsider nesta área, apressa-se a dizer que a única semelhança entre um e outro produto é uma mera coincidência. O seu aparelho é muito mais pequeno e a insulina já vai decomposta e pronta a entrar na corrente sanguínea, numa absorção que acontece em apenas 12 minutos. Até o preço - ainda por definir - deverá ser competitivo com o da aplicação por canetas.
"Será menos doloroso e mais prático", admite o médico Luís Gardete Correia, presidente da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP). De qualquer forma, a aprovação é só para adultos e não dispensa a administração de insulina basal - que permanece no sangue durante 24 horas e habitualmente é injetada à noite. "Espera-se que os problemas relativamente à primeira experiência tenham sido resolvidos", nota Gardete Correia.


Em Portugal, deverão ser cerca de 100 mil os diabéticos dependentes da insulina, estima o diretor clínico da APDP, João Filipe Raposo. Para estes doentes, as quatro ou cinco picadas por dia farão parte da sua rotina, para o resto da vida. "Tentamos desmontar o estigma, levar as pessoas a administrarem a insulina em público, sem se esconderem na casa de banho. Mas há muita gente que tem medo de agulhas e continua a sentir vergonha de se picar à vista de outras", admite o médico e investigador.


De qualquer maneira, não vale a pena ir a correr ao médico. Para já, não foi pedida qualquer autorização à Agência Europeia do Medicamento. E, mesmo nos Estados Unidos, ainda há um bom caminho a percorrer. Mann, dono de uma empresa relativamente pequena, tem de encontrar quem lhe compre a ideia e se disponha a fabricar e comercializar o produto. E o preço será sempre determinante. Em Portugal, o Estado só paga 170 bombas de insulina (que permitem a injeção contínua e pré-programada) por ano, para o País todo - e há pelo menos 10 mil doentes candidatos.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 15:36


Pesquisar

 



Contacto

planetacultural@sapo.pt

Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural