Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Substância encontrada no chá verde pode combater erosão dentária

11.08.10, Planeta Cultural

Uma substância encontrada no chá verde pode ajudar a desenvolver um composto eficaz contra a erosão dentária, segundo um estudo realizado na FOB (Faculdade de Odontologia de Bauru). A informação foi publicada no site da Agência USP.

Os pesquisadores testaram a eficácia da catequina, um fitonutriente de ação antioxidante encontrado no chá verde, como inibidora das MMPs (metaloproteinases da matriz), enzimas responsáveis pela erosão da dentina, a camada mais interna do dente. Em casos mais avançados, a dor e a sensibilidade são os principais sintomas do problema.

Segundo a professora que coordenou o estudo, Marilia Buzalaf, do Departamento de Ciências Biológicas da FOB, a MMP é ativada pelo pH ácido encontrado em em alguns alimentos e líquidos consumidos.

"A mudança nos hábitos alimentares da população contribui para a erosão dentária. Ela é causada principalmente por ácidos de origem não-bacteriana presentes em refrigerantes, sucos e frutas ácidas, além dos ácidos de origem gástrica", descreve.

Os ácidos dos alimentos e bebidas atingem a dentina, que é composta basicamente por um mineral chamado apatita e pelo colágeno. "O ácido dissolve a apatita e atinge o colágeno, ativando as MMPs presentes na dentina", explica a coordenadora.

Uma das substâncias testadas pelos pesquisadores como inibidora de MMPs é a EGCG epigalocatequina galate, um flavonoide que também é encontrado no chá verde.

Um dos objetivos dos estudos é desenvolver um gel que amenize o processo da erosão. Os pesquisadores produziram geis contendo inibidores de MMPs e aplicaram sobre a dentina, que foi submetida a desafios ácidos, principalmente com refrigerantes.

Eles criaram três tipos de geis: um à base de EGCG; outro à base de cloraxidina (um inibidor de MMPs que também tem atividade antimicrobiana); e um terceiro à base de sulfato ferroso.

"Nos três casos os resultados foram satisfatórios. Bastou que o gel ficasse um minuto em contato com os modelos dentários para que houvesse a inibição das MMP, com prevenção total da erosão nos desafios ácidos subsequentes. O efeito durou por cerca de cinco dias", conta Buzalaf.

 

 


Faça uma visita à fonte da informação clicando aqui