Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Automobilismo: Câmara do Porto abre concurso público para organização do Circuito da Boavista 2011

20.04.10, Planeta Cultural

O vereador do Turismo e Lazer da Câmara do Porto, Vladimiro Feliz, revelou hoje que a autarquia vai lançar "nas próximas semanas" um concurso público para a organização das corridas de automóveis do Circuito da Boavista, em 2011.

 

Na reunião pública de hoje do executivo camarário do Porto, Vladimiro Feliz referiu que a abertura do concurso público visa dar "maior transparência" ao processo, depois de a autarquia ter sido forçada a rescindir o contrato com a Talento, empresa organizadora das duas primeiras edições (2005 e 2007), por alegado incumprimento.

 

O autarca, que preside à empresa municipal Porto Lazer, referiu que as receitas da edição de 2009 do Circuito da Boavista, organizada pela câmara em parceria com a PALeading, baixaram "drasticamente", após o "recuo dos patrocínios".

 

Vladimiro Feliz realçou que a Porto Lazer "optou por assumir o risco" de realizar o Circuito da Boavista sem os mesmos apoios da Administração Central e de patrocinadores que tinha conseguido nos anos anteriores, o que se reflecte no resultado negativo registado pela empresa em 2009.

 

"Obviamente, o resultado não é o que todos esperávamos", afirmou o vereador, na discussão do relatório e contas de 2009 da Porto Lazer, adiantando que já estão em curso "esforços de correcção" de procedimentos detetados na auditoria à empresa mandada realizar no ano passado pelo presidente da autarquia, Rui Rio.

 

A Porto Feliz registou em 2009 um prejuízo de cerca de cinco milhões de euros, 1,2 milhões dos quais com a organização dos eventos mais mediáticos, o Circuito da Boavista e as corridas de aviões Red Bull Air Race.

 

Comentando este valor na reunião de hoje, Rui Rio afirmou que "a palavra prejuízo é tecnicamente errada", dado que, em sua opinião, os gastos com as duas provas devem ser vistos como "uma opção de investimento, enquanto tal criticável".

 

O líder da oposição, o vereador socialista Manuel Correia Fernandes, concordou com o presidente da autarquia, afirmando que "a cidade ganhou" com a realização dos dois eventos, pelo que não critica a opção de Rui Rio, embora tivesse feito diferente se a decisão fosse do PS.

 

"Esse prejuízo terá sido um investimento", reconheceu, lamentando apenas que Rui Rio não tenha o feito o mesmo noutras áreas culturais, nomeadamente no Teatro Rivoli.

 

Rui Rio rejeitou a comparação, afirmando que "a diferença é brutal", porque a câmara estava a gastar "três milhões de euros por ano" com o Rivoli, quando os gastos com a Red Bull e o Circuito Da Boavista foram de "cerca de 750 mil euros por ano".

 

O vereador da CDU, Rui Sá, pediu que seja entregue à oposição um balancete do Circuito da Boavista e criticou a autarquia por ter pago cinco mil euros a cada antigo piloto da Fórmula Um para correr no Porto.

 

Rui Sá lamentou também que tenha passado pela "vergonha" de ter de pedir ao seu colega de Lisboa o contrato que a Porto Lazer estabeleceu com a Red Bull, e que lhe foi recusado pela empresa municipal.

 

O relatório e contas da Porto Lazer foi aprovado com os votos favoráveis da coligação PSD-CDS, a abstenção do PS e o voto contra da CDU.

 

 

Visite aqui a fonte da informação