Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Como as baratas podem ajudar a salvar vidas humanas

05.11.15, Planeta Cultural

O inseto tem despertado o interesse de cientistas para pesquisas relacionadas a antibióticos, robôs e para membros perdidos

 

Em Havana, a barata cubana, inseto nativo de cor verde, é tida como um bicho de estimação e até aparece em histórias folclóricas. Entre as 4,5 mil espécies de baratas conhecidas no mundo, apenas quatro são consideradas pragas. A maioria delas não vive perto de residências de humanos e têm um papel ecológico importante comendo matéria morta ou em deterioração.

 

 
Algumas espécies têm cores vivas e desenhos. Outras são criaturas sociais e tomam decisões coletivas. Existem baratas que formam pares e criam os filhos juntas, já outras são sozinhas.

 

Elas podem emitir silvos, cantar e fazer sons percussivos para atrair um parceiro, além de sobreviverem às condições mais difíceis, como com pouca comida durante meses. Uma espécie, a Eublaberus posticus , pode sobreviver por um ano consumindo apenas água.

 

A mais pesada delas, a barata rinoceronte, vive no subterrâneo e chega a pesar 35 gramas, mede 8 centímetros e vive na Austrália. Uma das menores é uma praga encontrada na Europa e na América do Norte, a barata alemã, com apenas pouco mais de um centímetro.

 

Uma das curiosidades é que a borra de café é usada com frequência como isca em armadilhas para estes insetos.

 

Inspiração

 

Os cientistas têm nas baratas uma fonte de inspiração. Em 1999, essas criaturas inspiraram Robert Full, professor na Universidade da Califórnia, em Berkeley, a criar um robô de seis pernas que se movia mais rápido e facilmente do que qualquer outro.

 

Em sua palestra em 2014, na conferência TED, Full explicou como as patas elásticas, a forma corporal arredondada e os exoesqueletos flexíveis - feitos a partir de tubos conectados e placas - permitem que estes robôs se movimentem em terrenos mais complexos.

 

As patas das baratas também estão dando ideias a cientistas dedicados a criar a próxima geração de próteses de perna para humanos - a mecânica que dá elasticidade para as patas dos insetos é a base para a capacidade de uma prótese de mão mecânica de conseguir agarrar.

 

O objetivo, segundo Robert D Howe, do Laboratório de Biorrobótica de Harvard, é produzir uma mão que "deslize pelos objetos até envolvê-los, como uma mão humana levantando uma xícara de café".

 

E há também a barata robótica: uma fusão de uma barata viva e um minicomputador, cirurgicamente preso às suas costas. A partir de mensagens desse minicomputador, a barata pode ser direcionada para lugares aos quais os humanos dificilmente teriam acesso, como prédios que desabaram ou canos de esgoto arrebentados. Ali as baratas podem coletar dados.

 

"Na primeira vez que vi essas baratas fiquei de cabelo em pé", disse Hong Liang, pesquisadora-chefe do projeto na Universidade A&M do Texas. "Mas acabei ficando com algumas delas em meu escritório, como bichos de estimação por um tempo. Na verdade elas são criaturas belas. Elas se limpam constantemente."

 

Leia mais aqui

 

Bomba pode ter sido colocada entre bagagens de avião russo

05.11.15, Planeta Cultural

No entanto, inquérito sobre tragédia no Sinai não foi concluído

 

A queda de um avião russo na península egípcia do Sinai, ocorrida no último sábado (31), teria sido provocada por uma bomba colocada dentro de uma bagagem. Segundo fontes dos serviços secretos norte-americanos citadas pela CNN , o suposto atentado pode ter sido obra do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) ou de milícias afiliadas.

 

No entanto, os informantes ouvidos pela emissora explicaram que ainda não há uma conclusão formal do inquérito. De acordo com eles, a hipótese é que terroristas teriam conseguido colocar uma mala com explosivos no avião graças à cumplicidade de um funcionário do aeroporto de Sharm el Sheikh, o balneário de onde partira o voo.

 

 

In' Terra