Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Nova versão do Windows 10 traz mais Xbox para o computador

23.04.15, Planeta Cultural

Windows 10.jpg

Começou o reforço da ligação entre a Xbox e os computadores Windows dos utilizadores. As novas atualizações permitem até ver televisão em direto no PC com a ajuda da consola doméstica.

 

A Microsoft vai atualizar a aplicação Xbox para Windows e também vai disponibilizar uma nova versão da versão técnica da mais recente versão do sistema operativo. E os que são dedicados aos jogos vão ter bastantes funcionalidades para explorar.

 

Os updates vão permitir que a partir de agora os jogadores possam fazer gravações de jogabilidade, para depois partilharem nas redes sociais e em canais mais dedicados como o YouTube ou o Twitch.

 

As opções de gravação vão estar disponíveis através da Game Bar - Barra de Jogo, em tradução livre - e que estará disponível através da combinação tecla Windows + G. Vão estar ainda acessíveis atalhos rápidos que permitirão começar e parar a gravação sem que seja necessário recorrer às definições próprias.

 

Além da gravação de vídeos, os jogadores vão também poder agora apostar mais nas capturas de ecrã dos jogos através da nova aplicação Xbox.

 

 

 

Smartphone construído em liquidmorphium e é super-seguro

23.04.15, Planeta Cultural

A empresa Turing Robotic decidiu quebrar a monotonia e a rotina no mercado dos smartphones ao apresentar um equipamento de design e construção diferenciadores. O Turing Phone chega em agosto.

 

De vez em quando o mercado dos smartphones é sacudido por propostas diferenciadoras. Ou porque são caríssimas, como os modelos da Vertu, ou porque são seguros, como o BlackPhone, ou porque têm dois ecrãs, caso do YotaPhone.

Agora há um outro nome a acrescentar à lista de fabricantes de smartphones diferenciadores: a Turing Robotic e o seu Turing Phone.

Turing Phone.jpg

 

 

Altri tem toda a produção de 2015 vendida

23.04.15, Planeta Cultural
O director fabril da Celtejo, fábrica de pasta de papel da Altri, em Vila Velha de Ródão, disse hoje que a produção para este ano está toda vendida e que espera que sejam atingidas as 235 mil toneladas.
 
 

"Temos a felicidade de ter o produto para este ano todo vendido. Em 2015, é expectável que a produção atinja aproximadamente as 235 mil toneladas, com o mesmo equipamento, menos pessoas, mas com trabalhadores mais bem formados e tecnicamente preparados", disse o director daquela unidade da Altri.

 

Carlos Coelho adiantou que, a partir daqui, a fábrica esgota a capacidade dos equipamentos que tem em termos de produção.

 

"Temos a consciência de que já atingimos um nível de produção que começa a ser difícil superar sem investimentos. Atingimos um patamar que agora é a base para optimizar, reduzir alguns custos e dar mais formação às pessoas", sublinhou.

 

O director fabril da Celtejo adiantou ainda que para haver mais investimentos na fábrica de Vila Velha de Ródão é preciso haver matéria-prima.

 

"Como tenho dito ultimamente, para haver investimentos aqui [Vila Velha de Ródão] temos que ter matéria-prima. Para haver matéria-prima, temos que deixar de ter baldios e temos que apostar na cultura de árvores que criam riqueza ao país. Isto é uma decisão estratégica do país, não só da Celtejo e da Altri. Devemos pensar muito bem nisso", alertou o responsável da Celtejo.

 

Carlos Coelho explicou que a fábrica continua a trabalhar no plano estratégico e que sabe perfeitamente o que quer, ou seja, "continuar em frente e dar o salto".

 

Contudo, a falta de matéria-prima tem sido um entrave para a indústria da pasta de papel.

 

"Não vou falar em nome da Celtejo ou da Altri. Eu sei é que a nível do país continuamos a importar madeira neste sector, o que não faz sentido nenhum", afirmou.

 

Este responsável disse também que se está a falar de um dos poucos sectores do país que cria riqueza.

 

"Com matéria-prima, técnicos e equipamentos portugueses, no caso da Celtejo, exportamos mais de 90% da produção. Este sector tem que ser acarinhado pelos políticos. Não defendo o arranque de oliveiras ou vinha para plantar eucaliptos e também não defendo só o eucalipto. Mas devemos apostar em áreas que não estão aproveitadas e em baldios para plantação de árvores", concluiu.

 

 

In' Jornal de Negócios