Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Cão eleito presidente de câmara

16.08.14, Planeta Cultural

Golden Retriever foi eleito 'mayor' numa pequena aldeia no estado norte-americano do Minnesota.

 

Os sonhos tornam-se realidade, não apenas para os humanos. Um cão da raça Golden Retriever, foi eleito 'mayor' (equivalente em Portugal a presidente de câmara) da aldeia de Cormorant, no Minnesota. Duke tem sete anos e vai tomar posse este sábado. O 'salário' é um ano completo de ração. O cão não é o primeiro animal a ser eleito para cargos oficiais nos Estados Unidos. Um gato chamado Stubbs é o 'mayor' honorário da aldeia de Talkeetna, no Alasca.

 

 


Para visitar a fonte da informação clique aqui

Jéssica Augusto ganha bronze na maratona

16.08.14, Planeta Cultural

Jéssica Augusto conquistou este sábado a medalha de bronze da maratona nos Campeonatos Europeus de atletismo, conseguindo a primeira presença no pódio para Portugal no evento que decorre em Zurique, na Suíça.

 

A atleta portuguesa, de 32 anos, detentora da melhor marca do ano (2:24.25 horas), completou a prova em 2:25.41, atrás da francesa Christelle Daunay, nova campeã europeia, que terminou com 2:25.14, e da italiana Valeria Straneo, medalha de prata, com um registo de 2:25.27.

 

Vice-campeã europeia de 10.000 metros em 2010, Jessica Augusto alcançou a sua segunda medalha em campeonatos continentais e deu a Portugal a sexta medalha na maratona, depois dos títulos de Rosa Mota (1982, 1986 e 1990) e Manuela Machado (1994 e 1998).

 

As restantes portuguesas na competição, Filomena Costa e Marisa Barros, ficaram em 15.º e 20.º lugar, respetivamente.

 


Para visitar a fonte da informação clique aqui

 

 

Ex-chefe de gabinete de Sarkozy encaixou 32,6 milhões na venda de acções do BES

16.08.14, Planeta Cultural
O administrador do Crédit Agricole e do BES, Xavier Musca, vendeu 35,8 milhões de acções no final de Maio, mas só comunicou em Julho
.

Um dos representantes do Crédit Agricole na administração do Banco Espírito Santo (BES) vendeu 35,8 milhões de acções, dois meses antes do colapso do banco português. Xavier Musca, administrador do banco francês, encaixou 32,6 milhões de euros nestas operações, de acordo com os números do comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

Estas alienações foram realizadas entre 21 e 26 de Maio, antes da concretização do último aumento de capital do BES mas só foram comunicadas como imputáveis ao gestor francês a 15 de Julho.

 

Xavier Musca era administrador não executivo do BES desde Novembro de 2012, ano em que ingressou no Crédit Agricole com o pelouro da área internacional de retalho e banca comercial, gestão de activos e seguros.

 

Mas no seu curriculum profissional destacam-se os cargos que desempenhou no gabinete do ex-presidente francês, Nikolas Sarkozy. Musca foi director para assuntos económicos do Eliseu e em 2011, tornou-se secretário-geral do gabinete do Presidente Francês (ver perfil). Até ao comunicado de 15 de Julho, o gestor francês não tinha divulgado a compra ou venda de quaisquer acções do Banco Espírito Santo. Aliás, no último relatório do governo da sociedade do BES relativo ao exercício de 2013, Musca não consta da lista de administradores que detinham investimentos em acções ou dívida do banco.

 

COMUNICAÇÃO FALHA PRAZO LEGAL A aparente omissão vai contra o dever de comunicação dos gestores e dirigentes das sociedades cotadas que, segundo o Código de Valores Mobiliários, devem comunicar todas as transacções, compra ou venda, de acções emitidas pela sociedade em causa e cujo valor supere os cinco mil euros desde a última operação reportada. O prazo legal para esta comunicação são cinco dias úteis, mas neste caso passaram quase dois meses entre as transacções e a sua correcta divulgação. O código considera que os dirigentes devem divulgar estas operações porque têm acesso a informação privilegiada e participam nas decisões de gestão e estratégia.

 

Para além de ser administrador do BES, Musca é também administrador de um dos maiores accionistas do banco português, o Crédit Agricole, e da Bespar, sociedade conjunta que controlava a maior fatia de capital do BES. O incumprimento destes deveres de informação constitui uma contra-ordenação e poderá dar origem a um processo.

 

Contactada pelo i, a CMVM não confirma que o caso esteja a ser investigado, mas remete para o comunicado emitido a 4 de Agosto em que o regulador diz estar a analisar o cumprimento de todos os deveres de informação a que estão sujeitas as sociedade emitentes e os seus responsáveis.

 

QUATRO OPERAÇÕES, 0,9% DO CAPITAL Na primeira alienação, as 13 milhões de acções foram vendidas a um preço médio de 0,993 euros por título. Esta operação, que envolveu 0,33% do capital do BES e rendeu quase 13 milhões de euros, foi comunicada a 26 de Maio, mas foi atribuída ao Crédit Agricole. Em Julho, a mesma operação é imputada ao gestor francês. Foram comunicadas mais três operações de venda de acções do BES: a 22 de Maio foram vendidas 6,5 milhões de acções ao preço médio de 0,8779 euros, o que resultou numa receita de 5,7 milhões de euros; a 23 de Maio foram alienadas cerca de 15 milhões de títulos ao preço de 0,8536 euros, rendendo 12,8 milhões de euros e a 26 de Maio foram transaccionados 1,280 milhões de títulos ao preço de 0,87 euros, com encaixe de 1,1 milhões de euros. Mais de metade dos títulos, que representaram cerca de 0,9% do capital do banco, foram alienados fora de mercado. Desde essa data, Xavier Musca não terá mais acções do BES.

 

Estas operações seguem-se ao desfazer da parceria empresarial entre a família Espírito Santo e o Crédit Agricole, através da dissolução da Bespar, sociedade que controlava mais de 35% do capital do BES. O banco francês não foi ao aumento de capital e reduziu a sua participação para 14,6%. Ainda assim é o segundo maior accionista do BES, que agora está reduzido aos activos de pior qualidade.

Na apresentação dos resultados semestrais, esta posição representou um prejuízo de 708 milhões de euros para o Crédit Agricole. O presidente executivo do banco garantiu desconhecer as más práticas no BES. Jean-Paul Chifflet confessou-se "enganado".

 

Xavier Musca - Perfil

 

Licenciado em ciência política, Xavier Musca foi director-geral do Tesouro e da política económica francesa em 2007. Em 2009 foi nomeado director executivo dos assuntos económicos do gabinete do então presidente francês. Em 2011, Musca, especialista no sector financeiro, torna-se no “braço direito” de Nikolas Sarkozy ao assumir o cargo de secretário-geral do gabinete do presidente francês. Com a chegada de Hollande ao Eliseu em 2012, Musca é contratado pelo Crédit Agricole onde assume a área internacional de retalho e banca comercial, gestão de activos e seguros. No Verão de 2012, o seu nome surge envolvido em suspeitas de tráfico de influências. Segundo a queixa de um empresário, Musca terá recomendado à ex-ministra das Finanças, Christine Lagarde, a atribuição de legião de honra francesa a um perito independente que viria a decidir um litígio comercial com uma empresa privada a favor do Estado francês. Em Novembro de 2012, entra na administração do BES com um cargo não executivo.

 

 


Para visitar a fonte da informação clique aqui