Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Bolsas norte-americanas encerram no vermelho

03.06.14, Planeta Cultural

As bolsas norte-americanas encerraram esta terça-feira 3 de Junho em queda muito ligeira, depois de ontem os dois principais índices, Dow Jones e S&P 500, terem estreado novos máximos históricos.

 

Depois de três dias de ganhos, o S&P 500 caiu menos de 0,04% para os 1.924,23 pontos ao passo que o Dow Jones terminou nos 16.722,34 pontos, com um recuo de 0,13%. O tecnológico Nasdaq voltou a perder terreno, desta vez de 0,07% para 4.234,082 pontos.

 

A justificação para este comportamento pouco intenso é a de os investidores terem optado por esperar antes de tomarem quaisquer decisões. O analista Chad Morganlander, do gestor de fundos norte-americano Stifel Nicolaus, considerou, em declarações à agência Bloomberg, que a decisão do Banco Central Europeu (BCE) de quinta-feira está a gerar alguma tensão pela incerteza sobre o que será feito para combater o risco de deflação na união monetária.

 

"Há uma ideia clara que o BCE vai ser agressivo e que os números do emprego na sexta-feira venham a ser melhores do que o esperado", acrescentou Morganlander à agência Bloomberg.

 

Essa expectativa, com a ideia de que poderá haver medidas para além da descida de taxas de juro (actualmente a taxa directora está em 0,25%), está a impedir grandes euforias um pouco por todo o mundo. Ou seja, os investidores optaram por fixar as suas posições até existirem novidades.

 

Em termos empresariais, a Apple somou 1,41% para 637,54 dólares enquanto a Microsoft cedeu 1,23% para 40,29 dólares. A Alcoa perdeu u1,30% para 13,65 dólares.

 

 

 

Se assim o desejar, faça uma visita à fonte da informação clicando aqui

Santander Totta paga juro de 1,625% em emissão de 750 milhões de obrigações hipotecárias

03.06.14, Planeta Cultural

O Santander Totta fez uma emissão de 750 milhões de euros em obrigações hipotecárias, pelo prazo de cinco anos. Pagou uma taxa 1,625%, uma "diminuição significativa face ao custo de financeiro do soberano" que, diz o banco liderado por António Vieira Monteiro, "reflecte também o maior interesse dos investidores internacionais por activos financeiros portugueses".

 

Em comunicado, o banco refere que nesta emissão de títulos que têm como subjacente contratos de crédito à habitação pagou um prémio de 93 pontos-base face à taxa "mid swap" a cinco anos. "Representa uma diminuição significativa do custo de financiamento, em especial quando avaliado relativamente ao custo de financiamento do respectivo soberano, o que reflecte também a sólida avaliação de risco do banco", diz.

 

"O sucesso desta emissão, que é já a segunda do Santander Totta desde o inicio do ano, vem sublinhar a acrescida  confiança que os investidores estão a demonstrar na nossa instituição e no nosso país. Ambas as emissões foram colocadas com custos de emissão que são os melhores para os respectivos prazos e, significativamente inferiores à referência equivalente soberana", explicou António Vieira Monteiro ao Negócios.

 

O Santander Totta, que tem uma notação um nível acima do "rating" atribuído à República portuguesa pela Fitch e Moody’s, acredita que a redução do custo de financiamento "reflecte também o maior interesse dos investidores internacionais por activos financeiros portugueses". Os bancos portugueses já emitiram mais de quatro mil milhões de euros desde o início de 2014 em obrigações hipotecárias e dívida sénior.

 

 

In' Jornal de Negócios