Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Benfica derrotado em casa do Valongo

01.02.14, Planeta Cultural

O Benfica foi este sábado derrotado por 4-3 na deslocação ao reduto do líder Valongo, em partida da jornada 14 do campeonato nacional, não conseguindo assim confirmar o bom momento que poderia ter sido gerado depois da goleada ao FC Porto, no passado fim de semana.

 

Os encarnados até estiveram a vencer por 2-0, mas acabaram por deixar a formação portuense alcançar a reviravolta, com o golo da vitória a surgir já no derradeiro minuto de jogo.

 

Com este resultado, o Valongo passa a somar 39 pontos, mais 3 do que o FC Porto e 7 do que o Benfica. De referir que os dragões também hoje jogaram, vencendo por 4-1 na receção ao Candelária. Hélder Nunes (6', 13' e 47') foi a figura do jogo, com três golos.

 

 

In' Record

Marítimo vs FC Porto - Online

01.02.14, Planeta Cultural

O FC Porto não se quer atrasar mais na corrida para a conquista do título, por isso, hoje, pelas 17h15, no encontro da 17.ª jornada do campeonato, no Estádio dos Barreiros, frente ao Marítimo, vão tentar vencer os insulares. Os Madeirenses ainda acreditam que vão chegar à Liga Europa, por isso, tudo vão fazer para ganhar os três pontos em disputa.

 

Para ver este jogo online, clique num dos links abaixo indicados.

 

Transmissão agendada para as 17:15

 

 

Link: Marítimo vs FC Porto - Online

Link: Marítimo vs FC Porto - Online

 

 

 

Luis Aragonés morreu

01.02.14, Planeta Cultural

O antigo selecionador espanhol, que levou La Roja ao título europeu de seleções em 2008, faleceu esta madrugada.

Aragonés estava a contas com uma grave doença, segundo informa a imprensa espanhola, não resistindo à partida para este primeiro dia de fevereiro de 2014.

Com carreira notabilizada inicialmente como jogador, onde representou o Atlético de Madrid durante onze temporadas, foi também nos colchoneros que Aragonés passou grande parte do seu tempo como treinador.

 

 

Aliás, foi no clube de Madrid que conseguiu vencer o campeonato espanhol, na época 1976/77, antes de passar por vários outros clubes espanhóis, desde os dois clubes de Barcelona (Barça e Espanyol), aos dois clubes de Sevilha (Sevilla e Betis), passando pelo Valencia, Mallorca e Oviedo.

Porém, o seu ponto alto haveria de acontecer em 2008. Comandando uma equipa com base em jogadores de Barcelona e Real Madrid e com o ataque entregue a Fernando Torres (Liverpool) e David Villa (Valencia), o técnico conseguiu arrecadar o Europeu de 2008 e dar início a um reinado de seleções que perdura até hoje, mesmo que tenha saído logo depois desse torneio, dando lugar a Vicente del Bosque.

Depois disso, teve a sua primeira e única experiência fora de Espanha, treinando os turcos do Fenerbahçe, ainda que sem grande sucesso.

Luis Aragonés é conhecido também por inúmeras passagens marcantes e que fizeram correr muita tinta. A certa altura, jogava Reyes (ex-Benfica) ainda no Arsenal, e Aragonés, já como selecionador, disse-lhe num treino: «Diz a esse negro, da minha parte, que você é melhor do que ele».

Foi também Aragonés quem afastou Raul González, mítico avançado da Roja e do Real Madrid, das convocatórias da seleção, numa decisão polémica que sucedeu antes do Euro 2008: «Sabem a quantos Mundiais foi Raul? Três. E sabem a quantos Europeus foi? Dois. Digam-me quantos ganhámos».

Aliás, é Luis Aragonés quem despoleta o título de La Roja para a seleção espanhola: «Gostava que a seleção tivesse um nome, uma identidade. Tal como o Brasil é a Canarinha ou a Argentina é a Albiceleste, gostava a Espanha fosse La Roja».

Espanha chora a morte do técnico. Luis Aragonés chegou, fisicamente, ao fim aos 75 anos. O legado, esse, irá continuar por muito mais tempo...

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Cinco economias emergentes pregam um susto

01.02.14, Planeta Cultural

O início do ano ficou marcado por uma tempestade cambial em cinco economias emergentes - Argentina, Hungria, Rússia, África do Sul e Turquia, com desvalorizações cambiais assinaláveis.

 

A crise cambial mais aguda é a da Argentina, com o peso a desvalorizar 20,4% em 30 dias em relação ao euro, que se soma a uma crise de dívida, com o risco de uma bancarrota a atingir, no final de janeiro, cerca de 84%. A Argentina lidera o "clube" das desvalorizações e da bancarrota.

 

A desvalorização do peso nos últimos 12 meses já vai em mais de 60% face ao euro; no final de 2013, um euro valia 9 pesos; no final de janeiro de 2014, o euro troca-se oficialmente por 10,82 pesos. O risco de um novo default argentino subiu quase 22 pontos percentuais desde o final de 2013.

Os quatro companheiros do peso argentino no clube da desvalorização em janeiro em relação ao euro são o florim (que desvalorizou 5,46%), o rublo russo (5,35%), o rand sul-africano (4,93%) e a lira turca (3,84%). Este é o novo grupo dos cinco mais frágeis no início deste ano.

 

Em 2013, o clube das sete divisas mais frágeis, para além do peso argentino, do rublo, do rand e da lira turca, juntava o real brasileiro (que se desvalorizou ligeiramente em janeiro), a rupia indiana (que se valorizou em janeiro) e a rupia indonésia (que, também, se valorizou em janeiro). Os reincidentes são, agora, o peso argentino, o rublo, o rand e a lira turca; o florim húngaro (de uma economia membro da União Europeia) estreia-se.

 

Bancos centrais sobem taxas

 

Em janeiro três bancos centrais das economias emergentes decidiram subir as taxas, precisamente no dia anterior (28 de janeiro) e no próprio dia (29 de janeiro) em que a Reserva Federal dos Estados Unidos decidiu anunciar uma segunda redução de 10 mil milhões de dólares mensais no seu programa de "alívio quantitativo" (conhecido pela sigla QE, de quantitative easing).

 

A 28 de janeiro, o TMB, banco central da Turquia, subiu a taxa de recompra de títulos de 4,5% para 10% e a taxa de cedência de liquidez de 7,75% para 12%, e o Reserve Bank of India, liderado pelo guru Raghuram Rajan, subiu a taxa de recompra de 7,75% para 8%. No dia seguinte, o South African Reserve Bank, decidiu aumentar a taxa de recompra de 5% para 5,5%. A 15 de janeiro, o Banco Central do Brasil, subira a Selic - a taxa básica - de 10% para 10,5%.

 

Na dívida pública, no prazo a 10 anos, que serve de referência, três países registam yields muito elevadas no fecho de janeiro: Egito com 15,1%, Brasil com 13,4% e Paquistão com 12,83%. Outras economias emergentes registam yields naquele prazo superiores a 7%: Indonésia (8,89%), Vietname (8,85%), Índia e África do Sul (8,79%), e Colômbia (7,19%). Em prazos mais longos, a Argentina regista 10,6% a 25 anos e a Venezuela 15,29% a 20 anos.

 

Alguns analistas temem uma crise financeira num conjunto de economias emergentes como a que ocorreu no final dos anos 90 do século passado.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui