Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Menina curada do vírus da Sida

24.10.13, Planeta Cultural

Aos 3 anos, criança continua sem sinais de HIV após tratamento
Criança recebeu antirretrovirais até os 18 meses e deixou de apresentar vestígios do vírus no sangue

 

Uma menina, tratada contra a infecção por HIV logo após o nascimento, permanece sem qualquer sinal de infecção aos 3 anos de idade, sugerindo que a cura aparente de facto aconteceu, anunciaram cientistas norte-americanos na quarta-feira.

A história da primeira criança de que se tem notícia curada do HIV graças ao tratamento precoce baseado em doses elevadas de medicamentos antirretrovirais - o que os cientistas preferem chamar de "remissão sustentada" - foi anunciada em Março, quando ela tinha dois anos e meio.

Vários adultos infectados com o vírus da Sida foram identificados na literatura médica como tendo sido curados da doença, sendo o mais famoso Timothy Brown, conhecido como "o paciente de Berlim", que recebeu um transplante de medula para tratar leucemia e que acabou por ficar sem vestígios de HIV no sangue.

Mas nenhum método fácil emergiu para erradicar o vírus da imunodeficiência humana adquirida, que afecta 34 milhões de pessoas em todo o mundo e é responsável por 1,8 milhão de mortes anualmente.

No caso da menina, cuja investigação foi publicada no New England Journal of Medicine, a criança recebeu medicamentos antirretrovirais até os 18 meses e, depois de um ano e meio sem tratamento, não apresentava nenhum sinal da doença.

"As nossas descobertas sugerem que a remissão desta criança não é sorte, mas provavelmente resultou da terapia agressiva e precoce que pode ter evitado que o vírus tomasse conta das células imunológicas", explicou a principal autora do artigo, Deborah Persaud, virologista e especialista em HIV pediátrico do Centro Infantil do Hospital Johns Hopkins.

A mãe da menina deu à luz prematuramente, cerca de um mês antes do previsto, e não recebeu qualquer cuidado pré-natal. Ela não sabia que tinha HIV até fazer exames no hospital de Mississippi, onde a criança nasceu.

Alto nível de infecção

Quando nasceu, a bebé estava infectada com o HIV e o alto nível do vírus encontrado no seu sangue sugeria que a infecção tinha sido adquirida ainda no útero.

A menina recebeu medicamentos antirretrovirais nos primeiros 15 a 18 meses de vida, altura em que deixou de ser acompanhada. A sua mãe levou-a de volta aos médicos aos 23 meses de vida, afirmando que ela tinha recebido a última medicação anti-HIV aos 18 meses.

"Aconteceu quase por acaso", contou Anthony Fauci, director do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.

Segundo o estudo, exames feitos na menina aos 23 meses apontaram para um diagnóstico negativo para o HIV e o mesmo aconteceu aos 30 meses de idade.

"Não há sinais de retorno do HIV e nós continuaremos a acompanhá-la no longo prazo", declarou a pediatra Hannah Gay, do Centro Médico da Universidade do Mississippi.

A equia médica que atendeu a menina acredita que a razão para o sucesso do tratamento esteja relacionada com a intervenção precoce e espera investigar se tratar outras crianças infectadas algumas horas depois do nascimento poderão ter resultados similares.

Segundo Fauci, está previsto um estudo financiado pelo governo norte-americano para países em desenvolvimento 2014 com recém-nascidos seropositivos.

 

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Moçambicanos adoram kizomba

24.10.13, Planeta Cultural

A dança popular angolana kizomba está a ganhar simpatia por parte dos moçambicanos.

 

Uma escola de ensino da dança funciona desde 2011 na capital moçambicana e já formou cerca de 1.200 pessoas, desde que foi criada por dois dançarinos portugueses. Localizada na Avenida Vladimir Lénine, a Escola de Kizomba de Maputo é dirigida por Carlos Adrega e Sara Espírito Santo, que decidiram investir no negócio, depois de constatarem a grande apetência por esta dança por parte de muitos moçambicanos. Carlos A­drega contou, em reportagem publicada no Jornal de Angola na passada quinta-feira e da autoria do nosso camarada Amândio Clemente, que descobriu a kizomba em Portugal, através de dançarinos angolanos e cabo-verdianos, e ficou maravilhado e apaixonado com os passos. O repórter fotográfico Santos Pedro registou todos os momentos.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Recomendada criação de Comissão Nacional dos Direitos Humanos com os princípios de Paris

24.10.13, Planeta Cultural

Os participantes ao seminário Internacional sobre o estabelecimento de Instituições Nacionais de Direitos Humanos (INDH), que encerrou hoje, na capital do país, recomendaram que o Executivo angolano estude a possibilidade de criar uma Comissão Nacional dos Direitos Humanos, que esteja de acordo aos princípios de Paris.

De acordo com o comunicado final do evento, os participantes recomendaram também, que sejam realizadas acções de formação no sentido de capacitar quadros nacionais e dinamizar o processo para o estabelecimento das Instituições Nacionais de Direitos Humanos.

Após a análise e reflexão dos vários temas debatidos, conclui-se que a existência de uma instituição como a Provedoria de Justiça, responde em parte, aos princípios de Paris, sobretudo no que diz respeito à sua independência perante aos órgãos do Executivo.

Foi de igual modo concluído, a necessidade de se organizar mais formações com peritos internacionais, no sentido de colher várias experiencias, relativamente à acreditação de instituições regionais e internacionais de Direitos Humanos.

O estabelecimento de consultas com a participação activas de vários sectores públicos e da sociedade civil que possam apontar desafios, oportunidade, propostas de acções e serem realizadas em prol da criação de uma Instituição Nacional de Direitos Humanos, também esteve no foco dos debates.

Segundo os princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais de direitos humanos, de acordo com os princípios de Paris, uma instituição nacional deverá ter, entre outras, a competência de apresentar, a título consultivo, ao governo, ao parlamento e a qualquer outra entidade competente, propostas e relatórios sobre quaisquer matérias relativas à promoção e protecção dos direitos humanos.

A composição da instituição nacional e a designação dos seus membros, quer por eleição quer por outros meios, deverão ser definidas em conformidade com um procedimento que preveja todas as garantias necessárias para assegurar a representação pluralista das forças sociais (da sociedade civil) que participam na promoção e protecção dos direitos humanos.

Estes, devem estabelecer uma cooperação com representantes ONGs, com competências no domínio dos direitos humanos e na luta contra a discriminação, associações sindicais e organizações sócio -profissionais interessadas, nomeadamente de juristas, médicos, jornalistas e cientistas eminentes, universidades, parlamento e peritos qualificados.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Resultados e China animam Wall Street

24.10.13, Planeta Cultural

As bolsas norte-americanas fecharam a sessão em alta depois de empresas como Daimler terem divulgado resultados acima do esperado. O facto de ter sido divulgado um dado económico positivo sobre a economia chinesa também contribuiu para os ganhos.

 

O índice Standard & Poor’s 500 (S&P 500) subiu 0,29 % para 1.751,40 pontos enquanto o Dow Jones Industrial Average ganhou 0,62% para 15.509,21pontos. Já o tecnológico Nadasq avançou 0,56% para 3.928,960 pontos.

 

A ABB disparou 5% depois de ter revelado que os lucros subiram 10% e a Daimler avançou 3,3% também depois de divulgado vendas que surpreenderam pela positiva.

 

A impulsionar estiveram ainda empr3esas como a Intel, que avançou 0,17% para os 23,78 dólares, e como a Cisco, que somou 0,58% para os 22,39 dólares.

 

Para a alta das bolsas contribuiu também o facto de o índice que mede a actividade industrial na China ter aumentado mais do que o previsto.

 

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui