Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Wall Street recupera de duas semanas em queda após Fed garantir manutenção de estímulos

03.06.13, Planeta Cultural
Presidente da Reserva Federal de Atlanta assegurou que o banco central está comprometido com os estímulos à economia e qualquer alteração na política seguida até aqui não será significativa.
 

As bolsas norte-americanas fecharam em alta, suportadas por dados económicos que apoiam uma manutenção dos estímulos económicos por parte da Reserva Federal e por indicações nesse sentido proferidas presidente da Fed de Atlanta.

 

O Dow Jones subiu 0,92% para 15.254,03 pontos e o Nasdaq avançou 0,27% para 3.465,36 pontos. O S&P500, que chegou a perder terreno ao longo da sessão, também terminou em alta, com um avanço de 0,59% para 1.640,42 pontos.

 

Nas últimas duas semanas as bolsas norte-americanas fecharam em queda, o que já não acontecia de forma consecutiva desde Novembro de 2012. 

 

Pouco depois da abertura das bolsas, o ISM revelou que o índice que mede a produção industrial resvalou para 49 pontos, face aos 50,7 do mês passado, sendo que 50 pontos é a marca que separa o crescimento da contracção.

 

Os analistas inquiridos pela Bloomberg apontavam para um resultado entre 49 e 54 pontos, sendo que a média seria de 51 pontos, sendo que este dado aponta para uma fragilidade na recuperação da economia, o que pode ser visto com um travão para a Reserva Federal abrandar o ritmo de compra de obrigações soberanas.

 

A reforçar esta expectativa que a Fed não irá tão depressa alterar a sua política monetária, o presidente da Fed de Atlanta sinalizou em entrevista à Bloomberg que o banco central está comprometido com o actual programa de estímulos à economia, sendo que qualquer alteração na política seguida até aqui não será significativa. “Uma política acomodatícia de nível elevado vai permanecer”, garantiu Dennis Lockhart.

 

A impulsionar os índices estiveram as cotadas do sector farmacêutico Merck e Bristol-Myers, com ganhos acima de 3%, depois do JPMorgan ter afirmado que os seus medicamentos experimentais de combate ao cancro são “promissores”.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui