Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Barack Obama alerta que cortes na despesa ameaçarão empregos nos EUA

19.02.13, Planeta Cultural
O Presidente dos EUA afirma que os cortes na despesa que poderão ser implementados na próxima semana “não são inteligentes” e podem pôr em causa empregos. Nos últimos dois meses poucos progressos terão sido feitos para estabelecer um acordo entre republicanos e democratas de forma a evitar o corte de 85 mil milhões de dólares.


Barack Obama alertou o congresso norte-americano que se forem permitidos cortes muito grandes na despesa, estarão em risco postos de trabalho, segundo a BBC.

 

O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) afirmou que um corte orçamental de 85 mil milhões de dólares (perto de 64 mil milhões de euros) é uma abordagem perigosa para a redução do défice.

 

No Senado, Obama propôs cortes direccionados na despesa, apoiando uma proposta semelhante feita pelos senadores democratas na última semana. O Presidente afirmou ainda que cortes tão profundos e por isso pouco atractivos na despesa deveriam ter estimulado os políticos a trabalharem juntos.

 

“Não são inteligentes, não são justos… isto não é uma abstracção. Pessoas vão perder os seus empregos”, afirmou Obama referindo-se aos cortes orçamentais que podem ocorrer na despesa dos EUA, na próxima semana.

 

Mostrando-se disponível para cortar programas governamentais mal sucedidos e desnecessários, o presidente norte-americano acusou os opositores republicanos de “rigidez ideológica”, por se oporem a subidas de impostos.

 

As medidas agora discutidas e que devem entrar em vigor na próxima semana, deviam ter sido implementadas a 1 de Janeiro, altura em que estavam previstas que fossem accionadas medidas automáticas de corte na despesa e aumento de impostos, cujo impacto orçamental seria de 600 mil milhões de dólares. Porém, devido aos receios de que o “precipício orçamental”, designação dada ao pacote de cortes na despesa e subida de impostos, poderia levar a uma recessão nos EUA, os legisladores adiaram dois meses os cortes na despesa.  

 

O adiamento de dois meses tinha como intuito dar mais tempo aos legisladores para trabalharem num acordo quanto ao orçamento. Contudo, pelo que tem sido dado a conhecer nas últimas semanas, poucos progressos foram alcançados.

 

 


Para visitar a fonte da informação clique aqui

Governo prepara relançamento da venda da TAP para Maio

19.02.13, Planeta Cultural

O Governo está a trabalhar para que o processo de privatização da TAP seja relançado em Maio, soube o "Sol" junto de fonte governamental. Ao Negócios fonte oficial do Ministério Economia assegurou: "não há calendário definido para a privatização".

 


A estratégia do Executivo, segundo apurou o "Sol", será tentar atrair outro tipo de investidores para a compra da TAP, após de ter recusado a proposta da Synergy Aerospace, que não só ligados à indústria da aviação – como por exemplo, financeiros – e que tinham ficado fora da corrida devido ao modelo de privatização então desenhado.
 

Nesse sentido, o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, vai aproveitar a viagem de dois dias que fará a Londres, no final de Fevereiro, para promover a reprivatização da TAP e angariar interessados na principal praça financeira da Europa. Ao mesmo tempo, o Executivo já pediu aos seus assessores financeiros (BESI, Barclays Capital, Credit Suisse e Citi Bank) que iniciassem contactos nesse sentido.
 

No entanto, de acordo com as informações recolhidas, apesar de haver várias hipóteses em estudo, nada está ainda fechado quanto ao modelo a seguir nesta nova tentativa de privatizar a companhia. A inclusão ou não da TAP Manutenção e Engenharia Brasil, empresa com prejuízos de 300 milhões, no ‘pacote’ a alienar é, por exemplo, uma das incógnitas.
 

Em estudo, como noticiou o Negócios, está a venda de 51% do empresa a um investidor que assumisse o controlo e dispersar o restante em bolsa ou tentar que grupos nacionais com interesses ligados à aviação – do turismo, por exemplo – ficassem com parcelas do capital.

 

 


Para visitar a fonte da informação clique aqui