Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Sampaio elogia "patriota" Brito e lamenta ausência do PCP

10.02.13, Planeta Cultural

Os 80 anos do histórico comunista, que há uma década saiu do PCP em rutura, foram homenageados na Casa do Alentejo, em Lisboa.

 

"Eu gostava de ver aqui algum dirigente do partido a que Carlos Brito dedicou 48 anos da sua vida", disse Jorge Sampaio, ao discursar hoje à noite na homenagem a Carlos Brito. As palavras arrancaram aplausos entre os presentes. O ex-dirigente do PCP, partido do qual saiu um 2003, faz hoje 80 anos e teve à sua volta na Casa do Alentejo cerca de 200 "amigos, admiradores e camaradas".

 

O ex-presidente da República, um dos oradores da sessão, destacou a "inteligência, afectividade e inquebrantável coragem" de Brito. Sampaio recordou alguns dos momentos em que se cruzou com Carlos Brito, desde a Assembleia da República aos bastidores da candidatura presidencial de Mário Soares, passando pela coligação entre socialistas e comunistas (liderada por Sampaio), que conquistou a Câmara de Lisboa, em 1989.

 

Sampaio destacou diversas facetas do homenageado, mas sintetizou bastante numa simples frase: "Carlos Brito é um verdadeiro patriota". O antigo chefe de estado recordou ainda Brito como um "obsessivo fazedor de pontes e de compromissos".

 

António Borges Coelho, presidente da comissão promotora, evocou alguns dos momentos marcantes de Brito. Uns, há 60 anos, quando ambos se conheceram no MUD juvenil; outros, os da passagem de Brito pelas prisões do fascismo (onde esteve um total de oito anos), desde o Aljube a Peniche, passando por Caxias.

 

Foi após lembrar a caminhada de Carlos Brito, que o Borges Coelho lançou o desafio: "É tempo de abrir caminhos novos, que libertem Portugal da mentira e das amarras que o sufocam".

 

O homenageado centrou muito do seu discurso na situação actual do país. "O medo volta a condicionar a vida dos portugueses", afirmou. De seguida, alertaria para o rumo das coisas: "Em vez de fraterno, o país está a tornar-se fratricida".

 

Na homenagem ao histórico comunista (hoje um dos rostos do movimento Renovação Comunista) estiveram muitos antigos companheiros de partido, que antes dele abandonaram o PCP. Foi o caso de Mário Lino, Raimundo Narciso, Pina Moura, José Magalhães, António Mendonça ou Domingos Lopes.

 

Manuel Alegre, Manuel Carvalho da Silva, João Semedo, Manuel Oliveira, José Manuel Pureza, Rui Godinho, Álvaro Beleza, João Proença, José Carlos Vasconcelos ou Mário de carvalho foram outros dos presentes.


António José Seguro teve uma passagem fugaz, entre uma deslocação a Vinhais a reunião do PS em Coimbra, no domingo. António Costa, que integrava a comissão promotora, não compareceu.

 

 

Se assim o desejar, visite aqui a fonte da informação