Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

"O Rei Leão 3D" lidera bilheterias pela segunda semana nos EUA

25.09.11, Planeta Cultural

O filme "O Rei Leão 3D" liderou as bilheterias norte-americanas e canadenses pela segunda semana seguida, superando o drama sobre beisebol "Moneyball" e a produção "Dolphin Tale".

O relançamento da clássica animação "O Rei Leão" arrecadou cerca de US$ 22,1 milhões em três dias nas bilheterias dos EUA e do Canadá, afirmou a Disney no domingo.

"Moneyball", estrelado por Brad Pitt, ficou em segundo lugar com US$ 20,6 milhões arrecadados e "Dolphin Tale" ficou em terceiro com US$ 20,3 milhões, de acordo com estimativas de estúdios compiladas pela Reuters.

A Columbia Pictures, unidade da Sony, lançou "Moneyball". "Dolphin Tale" foi lançado pela Warner Bros, unidade da Time Warner.

 

Cena do filme "O Rei Leão", que voltou a liderar a bilheteria em nova versão 3D

 


Para visitar a fonte da informação, click aqui

Jardim critica "clima contra a Madeira" e "incompetência" da oposição

25.09.11, Planeta Cultural

O líder do PSD-Madeira, Alberto João Jardim, criticou, este domingo, os interesses que em Lisboa "montaram um clima contra a Madeira" e a "incompetência" dos partidos da oposição na região.

Num comício na Calheta (zona oeste da Madeira), o primeiro da campanha eleitoral para as legislativas de 9 de Outubro, Jardim pediu aos madeirenses que não confundam os portugueses e os naturais de Lisboa com os interesses económicos, financeiros e políticos instalados na capital do país, sublinhando terem sido estes que "montaram um clima contra a Madeira, porque a Madeira foi sempre contra o regime político que instituíram com a Constituição de 76".

"Sempre que podem, tentam mentir a nosso respeito e nos humilhar. O povo madeirense não se deixa humilhar e vai dar uma grande resposta a 9 de Outubro", disse o líder regional, apontando que será "uma maioria esmagadora" do PSD-M.

 

Durão Barroso garante que nenhum país abandona o euro

25.09.11, Planeta Cultural

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse, este sábado, que nenhum Estado membro da zona euro vai abandonar a moeda única, numa entrevista à cadeia de televisão CNN.

"O problema não é tanto o euro enquanto divisa, o problema é, temos que admitir - e nós não estamos complacentes sobre isso - as diferentes posições fiscais e os diferentes níveis de competitividade entre alguns membros da união monetária", disse Durão Barroso, entrevistado no programa Global Public Square, da cadeia de televisão norte-americana.

Questionado, durante a entrevista, se nenhum país vai abandonar o euro, Barroso respondeu: - "Exactamente".

Os mercados financeiros globais receiam o incumprimento grego ou a reestruturação da dívida do país (que só tem verbas até outubro) que terá, como uma possível consequência, o abandono da Grécia da zona euro.

O presidente da Comissão disse ainda acreditar que o reforço da integração entre os Estados membros vai tornar a União Europeia (UE) mais forte, na próxima década.

"Estamos a avançar, em termos de integração. Na Europa, ninguém está a discutir a direção futura, só quão rápida e até que ponto é que essa integração de ir. E já tomámos medidas muito importantes nessa direcção", afirmou Barroso.

Na quarta-feira, Durão Barroso faz o discurso do Estado da União, enquanto o Parlamento Europeu se prepara para aprovar o pacote das seis medidas de governação da zona euro, uma das quais dá novos poderes à Comissão Europeia para agir quando os Estados membros estejam a prosseguir políticas orçamentais e macroeconómicos pouco sustentáveis, através de mecanismos de prevenção e correcção de desequilíbrios macroeconómicos excessivos, que incluem a possibilidade de sanções.

"Daqui a dez anos, a Europa estará mais forte", referiu Barroso.

"Se de facto há uma nova potência emergente, no mundo, essa potência é a Europa, porque antes éramos países europeus, que não estavam unidos (...) A Europa é, de facto, mais forte hoje do que era há cinco ou dez anos", acrescentou.

 

 

Para visitar a fonte da informação, click aqui