Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Novos lasers são mais precisos para remover tatuagem

21.08.11, Planeta Cultural

O uso de raios laser especialmente calibrados aumentou muito as chances de remover com sucesso uma tatuagem, mas o processo está longe de ser perfeito.

Ainda é difícil lidar com desenhos de cores claras, e as tatuagens grandes (maiores que a palma de uma mão) são quase impossíveis de apagar --no máximo, o laser transforma o desenho em borrão.

"É algo a ser muito discutido com o médico antes do procedimento", diz o dermatologista Roberto Mattos, coordenador do Departamento de Laser da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia).

O risco de surgimento de cicatrizes ou de descoloração permanente da pele tratada existe, embora seja pequeno: ocorre em 1% dos casos, estima Alexandre Filippo, também membro da SBD. "Isso acontece se houver um erro técnico importante. O laser é bom e bastante seguro", afirma Mattos.

LÁ NO FUNDO

As mesmas características químicas que levaram à escolha de certas tintas para uso em tatuagens também dificultam a remoção dos desenhos mais tarde.

O aparelho usado por tatuadores deposita as tintas na derme média, camada que abriga os folículos dos pelos e as glândulas, por exemplo.

O pigmento inserido pelo tatuador é depositado a profundidades de 1 mm a 3 mm. Ele é formado por moléculas grandalhonas, que não conseguem ser "devoradas" pelas células de defesa da pele.

Por isso, o laser usado para atacar a tatuagem, do tipo conhecido como "Q-switch", tem como missão fragmentar os pigmentos em pedaços moleculares menores.

Ele faz isso emitindo pulsos muito rápidos, com duração de nanossegundos (bilionésimos de segundo).

A ação do laser é calibrada para que ele emita luz com comprimento de onda (ou seja, cor) cuja absorção seja otimizada para o pigmento que se deseja fragmentar.

Cada tom de pigmento absorve um comprimento de onda específico, o que exigiria alterar a emissão do laser dependendo da cor.

Para Filippo, as diferentes "cores" que podem ser obtidas com o laser (a luz vermelha é mais absorvida por pigmentos verdes e escuros, por exemplo) são uma boa ferramenta para atacar a tinta de forma seletiva.

Já Mattos afirma que o processo não é tão preciso. "Mas tons escuros absorvem mais e, por isso, são mais fáceis de remover da pele", diz.

 

PROCESSO É AINDA DEMORADO E DOLORIDO

O interessado em se desfazer de seu exemplar de arte corporal tem de se armar com paciência e resistência à dor, dizem os médicos.

A aplicação do laser permite que os fragmentos de tinta sejam devorados pelos macrófagos, células do sistema imune. A tinta também pode vazar pela pele.

Ao longo do processo, a energia do laser produz pequenos estalos na pele. É preciso aplicar um anestésico local cerca de uma hora antes, mas mesmo assim o procedimento é dolorido.

É comum a formação de uma casca, que deve ser tratada com cuidado. Também há o aparecimento de áreas esbranquiçadas na pele, que normalmente somem em um ou dois meses.

A duração das sessões depende do tamanho e tipo da tatuagem, indo de cinco minutos a quase uma hora.

A não ser que a tatuagem seja muito pequena, é preciso realizar cerca de dez sessões, uma a cada mês, para concluir o tratamento. O preço pode ficar em torno de R$ 400 por sessão.

De acordo com Alexandre Filippo, o melhor desempenho para tatuagens multicoloridas tem sido obtido com uma variante do "Q-switch", o Quanta Plus.

 


Visite a fonte da informação clicando aqui

35 mil inscritos no site que promove encontros entre comprometidos

21.08.11, Planeta Cultural

É um site de encontros. Mas, com uma diferença substancial: funciona assumidamente para comprometidos à procura de um 'flirt' com alguém na mesma situação. Já tem 35 mil inscritos. Traição simples e segura, dizem os promotores. Deixa nódoas e não resolve problemas, dizem especialistas.

 

Depois do sucesso na Holanda - onde foi fundado e conta com 180 mil subscritores -, na Bélgica e mais recentemente em Espanha, o Second Love chegou a Portugal.

 

Desde Abril, já se inscreveram no site 35 mil pessoas, 70% com formação superior e maioritariamente entre os 35 e os 50 anos, segundo fonte da empresa. A proporção é de sete homens para três mulheres, mas elas estão a aderir cada vez mais.

 

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa

 

Visite aqui a fonte da informação