Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Prémio de carreira para Maria Medeiros

11.06.11, Planeta Cultural

 

A actriz portuguesa Maria de Medeiros recebe dia 11 de Junho o Golfinho de Ouro do Festroia – Festival Internacional de Cinema de Setúbal, a decorrer na Costa Azul desde o passado dia 3.

 

O prémio destina-se a distinguir o conjunto da carreira da actriz, que vai muito além das fronteiras lusas.

 

A 27ª edição do Festroia - cujo programa integrou 180 filmes de 40 países - termina domingo, 12 de Julho.

 


Para visitar a fonte da informação, click aqui

Sporting desmente interesse em Ricardo Quaresma

11.06.11, Planeta Cultural
O Sporting desmentiu, assim, as notícias deste sábado, que davam conta do interesse dos leões no internacional português, Ricardo Quaresma.

O Sporting publicou, no seu site oficial, uma nota onde desmente o regresso de Ricardo Quaresma, que joga no Besiktas, a Alvalade. 
.
Recorde-se que a edição deste sábado do jornal "A Bola" dá conta do possível regresso de Quaresma aos leões. O Sporting estaria disposto a pagar 5 milhões de euros e os passes de Pongolle e Vukcevic, com o avançado português a ver com bons onlhos um regresso ao clube que o formou.
.
Comunicado do Sporting:
"O Sporting Clube de Portugal - Futebol SAD, desmente categoricamente as notícias que dão conta da possibilidade do regresso, neste momento, do jogador Ricardo Quaresma a Alvalade. Decidiu fazê-lo dada a admiração pessoal e profissional que, em Alvalade, todos nutrem por Ricardo Quaresma e por não querer alimentar qualquer especulação.
Esta situação nunca foi ponderada devido ao facto de ser incompatível o nível salarial atingido pelo atleta.

Lisboa, 11 de junho de 2011

A administração do Sporting Clube de Portugal - Futebol SAD"
Visite a fonte da informação clicando aqui

Estado retira apoios a 760 mil pessoas

11.06.11, Planeta Cultural

 

Redução da despesa com Rendimento Social de Inserção (RSI), subsídio de desemprego e abono de família está 54 milhões de euros acima das metas do Orçamento, mas a segunda metade do ano é a mais crítica. Cerca de 760 mil beneficiários perderam direito a prestações sociais

Numa altura em que a taxa de desemprego está num nível histórico, a pressão dos serviços do Estado para cortar despesa nos apoios sociais está a ser superior às metas que foram fixadas no Orçamento do Estado para este ano: nos primeiros quatro meses do ano, o Estado poupou mais 54 milhões de euros do que o previsto em apoios sociais. De acordo com dados da Segurança Social, 760 mil beneficiários perderam o direito a ajudas do Estado, no último ano.

As primeiras medidas de austeridade foram anunciadas há mais de um ano. Com o chamado PEC I – a actualização anual do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) –, o Governo propôs um tecto para as despesas com o RSI, introduziu a condição de recursos nas prestações sociais, impedindo que agregados que ganhem mais de 100 mil euros possam receber ajudas, e regras mais apertadas no subsídio de desemprego.

As medidas começaram a entrar em vigor no Verão, mas não foi preciso esperar muito até que fossem apresentadas novas. O PECII, que consistiu sobretudo em aumento de impostos, foi apresentado em Maio, mas no Orçamento do Estado para 2011, que ficou conhecido como PEC III, houve mais cortes. Na altura, o Governo decidiu fazer um corte de 20% no RSI e anunciou o fim dos escalões mais altos do abono de família.

Um ano passado desde a entrada em vigor das primeiras medidas de redução das prestações sociais, os objectivos não só estão a ser cumpridos como estão acima das projecções iniciais. Segundo os dados orçamentais analisados pelo SOL, em qualquer uma das três ajudas abrangidas pelos cortes – subsídio de desemprego, abono de família e RSI – a redução de despesa está a ser mais acentuada do que o previsto no Orçamento para este ano (ver infografia). Uma vez que as medidas de contenção tomadas no ano passado só começaram a ter efeitos no segundo semestre, é previsível que só haja uma tendência de normalização na segunda metade do ano, em que será possível verificar com mais exactidão o grau de cumprimento dos objectivos.

Até ao momento, a maior poupança está a ocorrer no abono de família. Com base na despesa do ano passado, a meta para 2011 implica uma redução de 22,8%, mas os serviços da Segurança Social estão a fazer os cortes a um ritmo superior. Até Abril, há uma redução de 30% com esta prestação social, mais 24,4 milhões de euros do que o previsto. Seguem-se o subsídio de desemprego (22,3 milhões de euros a mais) e, por último, o RSI (7,3 milhões acima da meta).

João Loureiro, docente da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, considera «inevitável» a redução das prestações sociais em contexto de consolidação orçamental, devido ao peso que estas despesas têm no Orçamento do Estado (ler entrevista ao lado). De facto, as prestações sociais e os salários dos funcionários públicos representam 80% da despesa pública, e a necessidade de actuar nestas rubricas foi também sustentada pelo ministro das finanças cessante, Teixeira dos Santos, para defender as sucessivas medidas de austeridade. E, acrescenta João Loureiro, «se a redução das transferências for feita com equidade, os mais débeis não devem ser penalizados».

Contudo, há quem alerte para os riscos de excessiva redução nos apoios concedidos. «Os cortes fortíssimos nestas prestações sociais fragilizam amplas camadas da população portuguesa – que são as que têm mais propensão para o consumo e dinamização do mercado interno», diz João Rodrigues, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

Para o economista, a economia portuguesa não vai conseguir crescer e gerar empregos se só estiver apoiada no mercado externo. «Precisa também do mercado interno e estas medidas de austeridade causam uma contracção tal que não há mercado externo que possa servir de compensação», justifica. João Rodrigues teme que esteja a ser gerada uma situação semelhante à grega – a entrada num ciclo recessivo que cause uma ‘bola de neve’ de incumprimentos de metas orçamentais «muito irrealistas».

Novos cortes à vista

Mesmo com reticências de parte da comunidade de economistas, o programa de ajustamento estabelecido entre o Governo e o FMI/BCE/CE prevê, a nível de prestações sociais, cortes no subsídio de desemprego e uma redução progressiva nas pensões acima de 1.500 euros, semelhante à que ocorreu com os salários da Função Pública. No subsídio de desemprego, a troika impôs a redução do período máximo de atribuição para 18 meses, bem como o montante máximo da prestação, que passa a ser 1.048, contra os anteriores 1.258 euros. Vai também ser introduzida uma redução decrescente do valor das prestações ao longo do período de desemprego, após seis meses de desemprego.

 

 

Visite a fonte da informação clicando aqui

Padre acusado de abuso sexual de menores em prisão preventiva

11.06.11, Planeta Cultural

 

A justiça chilena ordenou na sexta-feira a prisão preventiva do sacerdote Orlando Pinuer, acusado de abuso sexual de menores.

 

Segundo fontes judiciais citadas pela Efe, Rogel Pinuer, ex-pároco de uma igreja no sul do Chile, foi considerado "um perigo para a sociedade" pelas acusações de que é alvo.

 

Decorrem investigações ao caso que apontam para mais de dez vítimas de Pinuer, que também está a ser alvo de uma investigação por parte da Igreja Católica.

 

 

Visite a fonte da informação clicando aqui

Vaca clonada com dois genes humanos para produzir leite análogo ao materno

11.06.11, Planeta Cultural

Um laboratório argentino anunciou o nascimento da primeira vaca clonada com dois genes humanos, para produzir um equivalente do leite materno, que pode proteger os bebés contra doenças e promover o seu desenvolvimento.

 

"A vaca clonada, 'baptizada' Rosita ISA, é o primeiro bovino nascido no mundo com dois genes humanos que contêm as proteínas presentes no leite materno", revelou o o Instituto Nacional de Tecnologia Agrícola (INTA).

 

Nicolas Mucci, um dos três responsáveis pelas investigações conduzidas pelo INTA e pela Universidade Nacional de San Martin, disse à agência noticiosa francesa AFP que aquele leite protegerá os bebés e melhorará a sua absorção de ferro.

 

"O objectivo é melhorar o valor nutricional do leite de vaca juntando dois genes humanos, as proteínas lactoferrina e lisozima", declarou um outro investigador, Adrian Mutto, da Universidade Nacional de San Martin.

 

O vitelo nasceu a 6 de Abril e que é vigiado "24 sobre 24 horas". Dentro de 10 meses, os investigadores vão poder confirmar se as proteínas estão presentes no leite de Rosita, realizando uma simulação de gravidez.

 

O objectivo da experiência é que na idade adulta a vaca possa produzir "leite semelhante ao dos seres humanos", indicou o INTA.

 

 

Faça uma visita à fonte da informação clicando aqui


A nova vida das ervas

11.06.11, Planeta Cultural

O saramago, confundido no campo com uma erva daninha, cozinha-se como qualquer hortaliça. As plantas silvestres e as ervas aromáticas não são apenas o alecrim ou o manjericão. Há muitas espécies a serem recuperadas pelos chefs

Gelados, soufflés, espumas. Na cozinha de Ljubomir Stanisic «todos os pratos levam ervas aromáticas». O chef de origem jugoslava, a viver em Portugal, faz até gelatinas com coentros, hortelã da ribeira e lúcia-lima. Neste caso, o único requisito da planta é ser «fresca», mas para o chef todas têm utilidade. «É como usar um peixe, e até com mais opções de preparação», realça.

Ainda na semana passada, Stanisic esteve na Serra da Estrela num curso sobre plantas e ervas silvestres, onde aprendeu a fazer arrozes com elas. Uma das que acabou por cozinhar foi a carqueja, a mesma planta que Luís Américo, do restaurante Mesa, no Porto, diz pertencer ao grupo das «colhidas no monte» cuja tradição se perdeu com o tempo. Ainda assim, «é fácil de encontrar à venda». Mas o seu destaque vai para o reaparecimento da cherovia no mercado, quando «há muito estava afastada do público».

A razão do desuso, salienta Américo, é «a deslocação de grande parte da população para as cidades», mas para Maria Manuel Valagão, investigadora na área da Sociologia da Alimentação e do Ambiente, muitas plantas silvestres comestíveis estão a desaparecer «devido ao processo de produção intensiva, que teve início nos anos 50».

A coordenadora do livro Natureza, Gastronomia & Lazer (Edições Colibri) diz que muitas variedades autóctones foram substituídas «por espécies comerciais mais rentáveis» e lamenta que haja pessoas sem «disponibilidade para a diversidade de sabores».

Por esta razão, elogia «o mérito» da nova gastronomia: «Os grandes chefs são nossos aliados». Ljubomir não poderia concordar mais com a afirmação e confirma que todos procuram «dar maior e melhor uso das ervas», que são «fundamentais» pelo aroma e pela facilidade de confecção.

Maria Manuel Valagão diz até que, no campo das ervas aromáticas e das plantas silvestres comestíveis, não há restrições nem limites para a «criatividade humana». Se por um lado o manjericão, a salsa, os coentros e os poejos têm uma utilidade específica quando estão frescos, os dois últimos são aplicados na cozinha de forma diferente quando secos. «Os poejos secos servem mais para sopas de peixe, caldos e fins terapêuticos, tal como as sementes de coentros secas estão presentes nas cozinhas árabe e indiana».

Exemplo contrário é o dos orégãos – os portugueses usam-nos secos para aromatizar caracóis, azeitonas e tomate, mas com a venda cada vez mais frequente de vasos com esta planta há quem já se tenha adaptado à sua versão fresca.

Apologia do tomilho,paixão pelo dente-de-leão

Numa varanda, acaba por ser possível «ter-se tudo o que se quiser», garante Maria Elvira Ferreira, presidente da Associação Portuguesa de Horticultura. A engenheira agrónoma realça o facto de um canteiro protegido ter melhores condições de sucesso do que a plantação de ervas no campo, porque o cuidado que se tem com a rúcula, a hortelã ou a salsa num apartamento é outro.

Isto porque, mesmo nos dias quentes e sem chuva do final da Primavera, pode sempre colocar-se os vasos dentro de casa resguardados do sol – a plantação obriga a muita água e tempo fresco.

As duas varandas de Maria Manuel Valagão são a prova de que é possível «proporcionar sabores diferentes à família» a partir de um pequeno jardim mediterrânico plantado num prédio. Ao todo, possui 16 espécies, entre as quais o serpão, as mentas, o alecrim e a erva-príncipe.

Quando não se tem espaço para uma horta de varanda e se dispõe de um espaço ao ar livre, a melhor opção é o tomilho, desde que seja um local com pouca água. «Ele procura a secura e as pedras», esclarece Maria Elvira Ferreira.

Para a presidente da Associação Portuguesa de Horticultura, hoje assiste-se a um retrocesso positivo no planeamento dos jardins. Os relvados importados do norte da Europa e que durante anos foram a regra em Portugal estão a ser substituídos por ervas e arbustos aromáticos de outros tempos: «Daí ser apologista do tomilho».

Já a investigadora em Sociologia da Alimentação perde-se de amores pelo dente-de-leão. Confessa até que durante os anos em que preparou o livro Natureza, Gastronomia & Lazer foi a planta que mais a entusiasmou: «É um infestante da relva, que desabrocha aqui e ali, mesmo quando não há espaço para ele. É uma planta com uma vontade enorme de viver».

É do Algarve que traz as folhas do dente-de-leão – altamente diurético – que usa em tartes, saladas e outros cozinhados. E como não poderia deixar de ser, elegeu-o para o conjunto das 46 plantas silvestres alimentares e ervas aromáticas que surgem no seu livro e com as quais faz muitas receitas. Mesmo as que não se está à espera.

Exemplo disso é o saramago, confundido no campo com uma erva daninha e que se usa como qualquer hortaliça verde «em pataniscas e soufflés». Ou os talos da carrasquinha, que Maria Manuel Valagão aconselha a utilizar como os espanhóis, em revueltos ou em arrozes e massas.

Já a urtiga – depurativa e rica em minerais e vitaminas – tem uma aplicação em sopas e nas modernas tempuras japonesas.

Por seu lado, Luís Américo realça o uso mais inesperado do louro e do tomilho em sobremesas doces e revela que a hortelã é o tempero certo nos seus pratos de peixe.

Mas de todas as plantas, talvez se possa dizer que a mais notável a crescer nos campos nacionais sejam as beldroegas. As suas folhas são das melhores fontes vegetais de ómega 3. Tal qual um peixe gordo…

 


Visite a fonte da informação clicando aqui

Pedro Lamy sai da terceira posição

11.06.11, Planeta Cultural

 

Pedro Lamy vai arrancar hoje da terceira posição da grelha para as míticas 24 Horas de Le Mans. Depois de três sessões de qualificação extremamente renhidas, decididas somente nos últimos minutos, Simon Pagenaud, companheiro de equipa do piloto português no Peugeot 908 nº 9, acabou por garantir o terceiro melhor tempo para a corrida deste fim-de-semana.

 

O piloto português sai atrás dos dois Audi que garantiram os dois primeiros lugares.

 

Para além do Peugeot de Lamy, Tiago Monteiro (11.º), Miguel Pais do Amaral (13.º), João Barbosa (28.º) e Rui Águas (44.º) são os restantes pilotos portugueses que marcam presença em prova.

 

 


Visite a fonte da informação clicando aqui

 

O menino que aproveitou o vento

11.06.11, Planeta Cultural

William Kamkwamba transformou sua pequena aldeia de 200 em Malawi através da construção de um moinho eléctrico fora do lixo. Forçado a abandonar a escola aos 14 anos porque sua família não poderia cobrir os honorários, voltou a parcela de sua família fazenda, mas manteve-se com a sua formação por meio de uma biblioteca local. Lá ele tropeçou em um livro explicando a função de moinhos de vento e como poderiam trazer a eletricidade ea bomba de água.

 

(tradução detexto através da Google tradutor)

 


Leia mais aqui