Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Falcão elogia Villas-Boas

04.06.11, Planeta Cultural

 

O que falcão diz sobre Villas-Boas


Numa entrevista efectuada ao Jornal do O Jogo, Falcão considera Villas-Boas muito inteligente e um vencedor.

 

Falcão diz: "É um treinador muito inteligente, próximo dos jogadores, escuta as necessidades do plantel e sabe ceder. Por isso, o ambiente no grupo foi muito bom. Tem um enorme potencial e pode chegar longe no futebol"

 

Pelo seu trabalho desenvolvido como treinador do FC Porto, Villas-Boas demonstrou que efectivamente Falcão tem razão na sua análise sobre o seu técnico, por isso, também dá para acreditar que a breve prazo teremos mais um treinador emigrante!

FC Porto e Benfica decidem título

04.06.11, Planeta Cultural

 

FC Porto pode hoje fazer a festa da conquista do décimo título consecutivo de campeão português de hóquei em patins no Dragão Caixa, no Porto, frente a Oliveirense.

A equipa portista arranca para a 30.ª e última jornada com os mesmos pontos do rival Benfica, mas com vantagem no confronto directo, dependendo só de si mesma para a conquista do título.

Este jogo conta com a particularidade de ser a despedida do Tó Neves dos ringues. O atleta da Oliveirense encerra a sua carreira como jogador e começa já uma nova etapa da sua vida, sendo já confirmado como futuro treinador do FC Porto para a época que se avizinha.

O Benfica recebe o Porto Santo, a espera de um deslize do seu concorrente.

 

Visite a fonte da informação clicando aqui

Um casamento homossexual por dia em Portugal

04.06.11, Planeta Cultural

 

Casaram-se 820 pessoas homossexuais desde a entrada em vigor, há um ano, da lei que autoriza aqueles casamentos. As associações falam em homofobia de alguns oficiais de justiça, mas também do medo de os casais assumirem a relação.

A Lei nº9/2010 entrou em vigor a 5 de Junho de 2010 e dois dias depois os cartórios começavam a receber os primeiros noivos. Mas a euforia inicial abrandou já que, em média, casou-se apenas um casal por dia. De acordo com dados do ministério da Justiça, até 31 de Maio de 2011, realizaram-se 380 casamentos entre pessoas do mesmo sexo nas conservatórias portuguesas e outros 30 em consulados.

“Estes números não me surpreendem. Em Espanha, no ano em que se aprovou a lei casaram-se milhares de pessoas, em Portugal são apenas centenas. Mas nós ainda somos um pouco diferentes”, lamentou João Paulo, da Portugalgay.pt.

O receio de ser mal tratado no cartório, o medo de ser criticado pelos "vizinhos" ou mesmo discriminado no local de trabalho leva a que alguns casais nem sequer pensem em formalizar a sua união, contou à Lusa António Serzedelo, da Opus Gay.

“Claro que ainda existem muitos medos, algumas teias de aranha na cabeça das pessoas homossexuais que depois não correspondem à realidade. Ainda há muitas pessoas com medo de sair do armário, mas também existem cartórios onde a discriminação é real”, lamentou António Serzedelo.

João Paulo é da mesma opinião, lembrando que “não é por se mudar a lei que a sociedade vai mudar”.

E em algumas zonas do país as mudanças ainda são mais lentas, segundo António Serzeledo. “Portugal é um pais a dois tempos. Uma coisa são as cidades grandes e outra coisa é o interior, onde a homofobia é mais sentida”, garante.

Os números do ministério da Justiça confirmam esta perceção: de um total de 380 casamentos, realizaram-se 117 só na cidade de Lisboa e outros 36 no Porto e Vila Nova de Gaia. As cidades da zona metropolitana da capital, como Oeiras (15 casamentos), Almada (14), Cascais (11) e Setúbal (10), reúnem o grosso dos restantes casamentos.

Depois, existem muitos cartórios com apenas um e muitos mais onde não se chegou a realizar qualquer casamento no último ano.

Entre a comunidade gay, alguns destes espaços já estão referenciados como sendo pouco tolerantes à diferença. Mas também existem serviços que vão ficando conhecidos pelos bons motivos.

“Uma das coisas que tenho dado indicações é sobre cartórios onde sei que os oficiais de justiça são pessoas que não vão fazer má cara”, conta João Paulo, que se casou no ano passado, em Outubro.

O responsável pelo Portugalgay.pt já ouviu “relatos de pessoas que tiveram alguns problemas no cartório, mas depois tiveram muita sorte com a festa do casamento”. Serzedelo diz que “com a lei, nasceu um mercado pensado para estes casamentos”.

Os dois responsáveis garantem que as empresas que realizam o “copo de água” estão conscientes deste pequeno nicho de mercado e que nesta matéria as histórias dos casais têm tido um final feliz.

 

 

Visite a fonte da informação clicando aqui

Juízes ponderam processar Marinho

04.06.11, Planeta Cultural

 

Associação sindical diz que o bastonário dos advogados violou o dever de reserva ao comentar o caso de agressão entre jovens.

 

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) está a ponderar apresentar uma participação disciplinar contra Marinho Pinto, na Ordem dos Advogados.

 

Em causa estão as declarações que o bastonário dos advogados tem feito na comunicação social sobre o caso da adolescente de 13 anos agredida por jovens de 16 e 18, que foram presos preventivamente.

 

A decisão de aplicar a prisão preventiva coube ao juiz de instrução Carlos Alexandre – que acompanhou, aliás, o pedido nesse sentido feito pelo Ministério Público. «Isto é um sistema judicial da Idade Média», disse Marinho Pinto, acrescentando: «A agressão foi até repugnante pelo facto de haver quem estivesse a rir. Mas a prisão preventiva foi excessiva. Só foram presos porque foram filmados e são pobres».

 

Para o presidente da ASJP, António Martins, é claro que o bastonário dos advogados «violou mais uma vez os estatutos da Ordem, nomeadamente o direito de reserva, previsto no artigo 88.º» do respectivo estatuto – disse o juiz ao SOL.

 

O presidente da ASJP desconhece que o próprio juiz Carlos Alexandre, segundo fontes contactadas pelo SOL, possa apresentar uma queixa-crime contra o bastonário. Mas garante que, se o magistrado o fizer, «a direcção nacional da ASJP ponderará apoiá-lo, tal como já fez no passado em relação a outros colegas em situações semelhantes».

 

A decisão depende, para já, do que vier a ser deliberado na reunião nacional da associação sindical, marcada para o próximo dia 17.

 

Conselho Superior da Ordem não comenta


O SOL tentou obter um comentário sobre este assunto do presidente do Conselho Superior da Ordem dos Advogados – o órgão de disciplina e deontologia da classe. Questionado sobre se este órgão pretende suscitar procedimento disciplinar contra o bastonário pela tomada da posição pública sobre o caso, Óscar Ferreira Gomes não quis fazer qualquer comentário.

 

 

Fonte: SOL