Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Britânica é condenada por abusar sexualmente de bebê de 5 meses

19.10.10, Planeta Cultural

 

A Justiça britânica condenou uma ex-assistente social por abusar sexualmente de um bebê de 5 meses e permitir que seu namorado, o cabeça de uma rede de pornografia online, tirasse fotos do crime.

 

Tracy Dawber, 44, que trabalhava no serviço social de Southport, sul da Inglaterra, era uma das quatro mulheres que trabalhavam para Colin Blanchard, seu namorado, na rede de pornografia.

 

A descoberta da rede chocou o país no ano passado, quando a polícia prendeu a primeira das acusadas, Vanessa George. Ela trabalhava em uma creche em Plymouth, no sudeste do país.

 

Blanchard, Vanessa e duas outras mulheres – Angela Allen e Tracy Lyons, ambas de 39 anos – já foram julgados e condenados pela Justiça.

 

 

Leia mais aqui

Cientistas desenvolvem LEDs dobráveis e à prova d´água

19.10.10, Planeta Cultural

 

Tecnologia também permitiria o implante de LEDs sob a pele

 

Aplicações vão de luvas cirúrgias a ...tatuagens

 

Que os LEDs (sigla em inglês para Diodo Emissor de Luz) já fazem parte da nossa vida, todo mundo sabe. Estão na nova geração de semáforos, estão nos farois e paineis dos automóveis, nos televisores e em uma infinidade de gadgets com os quais interagimos todos os dias.

Mas cientistas da Universidade de Illinois liderados pelo pesquisador John Rogers, quebraram um paradigma da tecnologia: o que dizia que LEDs são frágeis e não podem ser moldados em diferentes formatos. Os cientistas conseguiram colocar unidades minúsculas de LED, menores do que uma ponta de caneta, em folhas eletrônicas flexíveis. Essas folhas podem ser dobradas até 720 graus sem que os LEDs percam sua função luminosa. Também podem ser imersas em água e – aqui está a grande novidade – funcionaram ao ser implantados sob a pele de camundongos.

Rogers imagina essa tecnologia sendo usada em luvas cirúrgicas para que médicos possam iluminar áreas a serem operadas de forma mais eficiente ou melhorar as condições de diagnósticos médicos.

Mas é claro que não deve demorar muito para aplicações mais mundanas surgirem para essa tecnologia. Alguém aí toparia implantar LEDs no corpo como uma tatuagem iluminada?

 

 

Visite aqui a fonte da informação

Kanye West pensou em suicidar-se

19.10.10, Planeta Cultural

Kanye West considerou suicidar-se mas garante agora que não mais irá desistir de viver.

O rapper fez a revelação durante a estreia da curta «Runaway», em Los Angeles na última segunda-feira.

West não escondeu que o último ano foi difícil após o incidente protagonizado com Taylor Swift nos Video Music Awards da MTV. E lembrou que perdeu quatro figuras parentais nos últimos anos, incluindo a mãe.

Por isso, garante não ter «medo». Quanto a «Runaway», foi realizado por Hype Williams e relata uma nova relação do rapper com uma rapariga que é uma fénix chegada à Terra.

O álbum «My Dark Twisted Fantasy» só chega a 22 de Novembro mas o terceiro single está quase a ser revelado. Chama-se «All of the Light» e tem as participações de Rihanna, Alicia Keys, Elton John, Fergie, La Roux, John Legend, The Dream, Kid Cudi, Tony Williams, Ryan Leslie e Charlie Wilson.

 

 

Fonte: Diário Digital

Manuela Moura Guedes rescinde e sai da TVI

19.10.10, Planeta Cultural

 

A jornalista Manuela Moura Guedes vai sair da TVI, depois de ter chegado a acordo com a estação televisiva quanto à rescisão do seu contrato de trabalho.

As duas partes chegaram a acordo no domingo, 17 de Outubro, deixando a jornalista Manuela Moura Guedes de fazer parte dos quadros da estação.

"Por razões de confidencialidade inerente ao acordo celebrado, a TVI entende não dever adiantar pormenores nem comentários acerca do mesmo", frisa um comunicado da estação televisiva.  

Manuela Moura Guedes encontrava-se de baixa médica desde 28 de Setembro do ano passado, depois de um longo processo que em que a jornalista se envolveu com polémicas com o primeiro-ministro José Sócrates.  

A situação remonta a Abril de 2009, quando Sócrates, agastado com aquilo que considerava uma linha editorial antagonista do Governo, criticou o "Jornal de Sexta", apresentado por Manuela Moura Guedes, chamando-lhe um jornal "travestido".  

No dia 3 de Setembro de 2009, uma quinta-feira, a administração da Media Capital - dona da TVI - anunciou que o Jornal Nacional do dia seguinte, sexta-feira - habitualmente apresentado por Manuela Moura Guedes e criticado em Abril por Sócrates - ia ser suspenso.  

Segundo Manuela Moura Guedes, o noticiário que iria para o ar no dia seguinte incluía novos dados sobre o caso Freeport. Como consequência, a direcção do canal demitiu-se, a redacção repudiou o "atentado à liberdade de imprensa", o antigo director-geral da TVI, José Eduardo Moniz, falou em "escândalo", os partidos políticos em "censura" e o presidente da ERC qualificou o caso como "absolutamente inaceitável".  

O caso levou a jornalista a interpor um processo contra o primeiro-ministro, mas sobretudo aumentou a visibilidade do confronto. Poucos meses depois Sócrates era acusado de usar a sua influência para suspender o Jornal da TVI.

 

 


Visite a fonte da informação clicando aqui

Silva Lopes: "Desta vez tenho medo do FMI"

19.10.10, Planeta Cultural

O economista Silva Lopes diz ter "medo" de uma intervenção do FMI. Isto porque, defende, Portugal só poderá cortar na despesa e "isso dá recessão".

 

“Provavelmente, o FMI vem cá outra vez, mas desta vez, devo dizer, que tenho medo, porque já não vai dar o mesmo resultado das outras vezes. Agora a única coisa que podemos fazer é cortar na despesa, e cortar na despesa dá recessão. Isto vai dar recessão e séria.”

O ex-ministro das Finanças, que ocupava o cargo de governador do Banco de Portugal quando o Fundo Monetário Internacional (FMI) interveio em Portugal, defende que “se não tomarmos estas medidas [as que constam no Orçamento do Estado para 2011] não nos emprestam dinheiro lá fora. E se não emprestarem, a recessão vai ser mil vezes pior”.

“Não temos outro remédio senão sofrer, e vamos sofrer”, salientou o responsável numa intervenção num colóquio sobre dívida pública portuguesa que está a decorrer no Parlamento.

 

 

In' Jornal de Negócios