Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Italianos são detidos no aeroporto do Cairo com Van Gogh roubado

22.08.10, Planeta Cultural

Dois italianos foram detidos no aeroporto do Cairo quando tentavam sair do Egito com o quadro do pintor holandês Vincent Van Gogh, roubado hoje em um museu da capital egípcia, informou o ministro da Cultura, Faruk Hosni.

"Dois italianos, um homem e uma mulher, foram detidos em poder do quatro quando tentavam sair do país", afirmou o ministro. Pela manhã, Hosni havia informado que o quadro de valor inestimável foi roubado do museu de Mahmud Khalil, que possui um importante acervo de arte europeia dos séculos 19 e 20.

A pintura, intitulada "Papoulas", foi "tirada da moldura, depois da abertura do museu, esta manhã", afirmou Hosni. Os funcionários do museu foram interrogados e medidas preventivas foram tomadas nos portos e aeroportos egípcios para impedir que o quadro deixasse o país.

 

 

O Planeta Cultural agradece que faça uma visita à fonte da informação clicando aqui

Marcas deixam China e voltam a Portugal

22.08.10, Planeta Cultural

As grandes marcas internacionais estão a reforçar a produção de calçado em Portugal, em detrimento da China. Problemas de qualidade e de incumprimento dos prazos de entrega estão na base desta mudança que está a potenciar a produção para "private label".

"O que se sente é que as empresas que foram para a China estão a voltar. Há cerca de um ano começámos a sentir isso e este ano foi mais forte", adianta André Fernandes, da Fábrica de Calçado Evereste. Nesta empresa, as marcas próprias Cohibas, Evereste, Fugato e Chibs são o principal motor das vendas, mas, explica André Fernandes, "estamos a ser muito solicitados tanto em linhas desportivas como de estilo por marcas europeias para a produção de pequenas séries".

O optimismo é sentido também na Netos - Fábrica de Calçado que produz sobretudo para outras marcas. "Os grandes grossistas holandeses que importavam muito da China estão a regressar, porque querem mais qualidade", refere Domingos Neto, acrescentando que o investimento em equipamentos de ponta foi essencial para dar resposta "aos grossistas que querem grandes quantidades e a outros clientes de pequenas séries".

Nike e Adiddas regressam

São insígnias como a Nike, Adiddas, Le Coq Sportif, Armani, Prada ou Versace que olham de novo para a indústria portuguesa de calçado porque na Ásia nem tudo corre bem.

"Decisões de colecções a longo prazo com os riscos consequentes de erro em produtos moda, maior dificuldade de acesso ao crédito, despesas financeiras com a manutenção de stocks, problemas de qualidade e fiabilidade nas entregas nos prazos correctos", são para Américo Pinto, da Jefar - Indústria de Calçado, as razões que estão a trazer as grandes marcas de novo para o nosso país. Na Jefar, que tem a marca Pratik, 90% da produção é para "private label" (subcontratação) e, adianta Américo Pinto, este ano, "têm sido muito sondados para produções orientadas para o preço".

É que também neste caso há mudanças. Cerca de 85% do que a indústria de calçado portuguesa exporta é calçado em couro e é neste segmento que a China faz mais concorrência às nossas empresas. No entanto, o preço praticado nos dois países tem vindo a aproximar-se cada vez mais.

"No final de 2009, o preço médio do calçado exportado da China era de três euros, mas no couro, a diferença, neste momento, deve ser de 17 euros (na China) para 21 euros (em Portugal)", salienta Paulo Gonçalves, da associação do sector, APICCAPS. Lembra, ainda, que na China os salários e os custos de transporte estão mais altos, o que tem afastado os compradores europeus.

"A necessidade de encontrarem soluções, geograficamente próximas, e com um nível competitivo quer qualitativo quer quantitativo (ao nível dos preços), que permitam manter as marcas, sem alterarem as margens de lucro, alavancou esta procura", defende Luís Sá, da Jóia-Calçado. A empresa, que lançou recentemente a marca Y.E.S., tem visto as vendas para outras marcas aumentar, o que levou a Jóia a travar a expansão da marca para cumprir "os compromissos assumidos com o aumento da carteira de encomendas de private label", refere Luís Sá.

 

 

O Planeta Cultural agradece que faça uma visita à fonte da informação clicando aqui

"Sexy, a história de Ana Malhoa" na Net

22.08.10, Planeta Cultural

"Sexy, a história de Ana Malhoa" é o nome da série documental nascida a pretexto dos 25 anos da carreira da cantora, em exibição semanal no portal Sapo, que tem dado que falar. Ana Malhoa subiu ao palco aos seis e foi o ídolo para a geração do "Buereré", que apresentou na adolescência, na SIC.

Mais de 50 mil curiosos não resistiram a espreitar os primeiros dois episódios. Na próxima quarta-feira vai para o ar o quarto de 10 programas previstos.

No terceiro episódio, disponibilizado esta semana, Ana Malhoa, de 31 anos, explica as motivações responsáveis pela sua aparência provocadora. Além da própria se fazer ouvir, de dizer, entre outras coisas, que gostava que as mulheres se identificassem com a sua atitude, a produção BeActive captou comentários nas ruas, nos quais se fazem notar pareceres antagónicos: há quem a admire e quem não goste do estilo.

Das opiniões de figuras públicas, Fernando Alvim elogia-lhe a assertividade. “Não me parece que a Ana Malhoa tenha muito tempo para perder naquilo que faz”. O seu pai, José Malhoa, relativiza a faceta ousada. Malhoa lembra que, lá fora, cantoras como Madonna e Britney Spears exploram de igual modo a sensualidade.

Ana Malhoa entrou nesta aventura para poder agradecer aos fãs. “Ao longo destes 25 anos de carreira, obtive muitas manifestações de carinho. Por isso, aceitei fazer esta série sobre a minha vida e oferecê-la como presente a todos aqueles que me têm apoiado”.

Nuno Bernardo, director-geral da Beactive, convidou-a por a considerar “um fenómeno, como poucos em Portugal”. Tem “uma carreira com consistência e o sucesso que tem observado durante 25 anos não é um facto para deixar passar despercebido”.

 

 

Visite aqui a fonte da informação

Cantor inglês comete suicídio após apresentação em festival de rock na Bélgica

22.08.10, Planeta Cultural

O festival Pukkelpop, na cidade de Hasselt, na Bélgica, parece estar “amaldiçoado”. Nesta sexta-feira, dia 20, Charles Haddon, cantor da banda inglesa Ou Est Le Swimming Pool, suicidou-se ao se jogar do alto de um a torre telefônica atrás do palco principal logo após sua apresentação, segundo informação do site “Sky News”.

Foi a segunda tragédia ocorrida no evento de apenas três dias. Na quinta-feira, dia 19, Michael Been, de 60 anos, cantor da banda americana The Call sofreu um ataque cardíaco fulminante enquanto trabalhava como assistente de som para o grupo de seu filho, a Black Rebel Motorcycle Club.

 

 

Para visitar a fonte da informação, click aqui

 

Benfica derrotado na Madeira

22.08.10, Planeta Cultural

Com esta derrota por 2 -1 frente ao Nacional da Madeira, o Benfica começa a ficar em maus lençóis, pois só nos anos cinquenta è que o clube da Luz teve um início de época tão desatrosa...!

 

Assim, tudo leva a crer que alguma coisa não está nada bem no clube encarnado e tudo começa na defesa, embora não seja apenas este sector em desiquilibrio, pois o meio campo e em especial o sector avançado também parece estar de rastos..!

 

1 - Por isso, (embora se encontre lesionado) è de questionar o porquê de mandar o Quim embora e onde se encontra o Moreira?

 

2º O que se passa com o Luisão?

 

3 - Será que não existe substituto à altura para o lugar anteriormente ocupado por Ramires?

 

4 - O que anda a fazer o Cardozo?

 

 

 

O Benfica que não se cuide não..!{#emotions_dlg.wasted}