Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Os Destruidores do Mundo

11.06.10, Planeta Cultural

Pois è, pelos vistos a crise nos mercados Europeus vai continuar, mas o problema maior, è que ela vai-se alastrar até à Ásia e Américas...!

 

Digo isto porque, segundo o 1º Ministro Japonês, veio a público dizer da possibilidade da economia japonesa "entrar em colapso" devido à elevada dívida pública.

 

Ora bem, se as coisas estão muito más ao se constatar do que se vem passando na Grécia e por arrasto por Portugal e como se isso não bastasse, apareceu a Espanha e agora o Japão.

 

Isto só quer dizer que afinal podemos estar perto de um colapso total.

 

Assim, neste momento temos que dar credibilidade e forças  aqueles que realmente estudam os melhores meios para combater esta enorme crise, crise esta que deve estar a fazer rir todos aqueles que conseguiram os seus objectivos, no entanto, vamos acreditando que os mesmos vão ter perna curta e que quando despontar a realidade, eles, os inventores de tal feito, vão se sentir derrubados e aí, aí vão ter que dar o braço a torcer e, desta maneira, vão entender que as ideias que os fez levar a esta enorme preocupação Mundial, afinal não deu o efeito (frutos) que desejavam e com toda a certeza e mesmo sem qualquer ajuda, vão pelas suas pernas(meios), se internarem num manicómio..!

Avaliação de professores será incluída na graduação de concursos

11.06.10, Planeta Cultural

O secretário de Estado Adjunto e da Educação, Alexandre Ventura, afirmou hoje, sexta-feira, que a avaliação de desempenho vai mesmo ser incluída na graduação dos concursos de professores, após decisões judiciais que deram razão ao Ministério da Educação.

 

Em conferência de Imprensa, o governante afirmou que o Ministério foi hoje, sexta-feira, notificado de decisões dos Tribunais Administrativos e Fiscais de Beja e Lisboa, que deram razão ao recurso apresentado contra uma providência cautelar interposta pela Federação Nacional de Professores (Fenprof), que visou retirar a avaliação de desempenho do concurso de colocação de professores que decorre.

 

Trata-se do "reconhecimento pleno das razões" do Governo, afirmou Alexandre Ventura, garantindo que a utilização da avaliação de desempenho nos concursos, suspensa "provisoriamente" pelos tribunais devido à providência da Fenprof, significará "um estímulo para os docentes e um benefício para alunos e famílias".

 

Os professores cujo desempenho já tenha sido avaliado e tenham tido classificações "excelente" ou "muito bom" serão "beneficiados na graduação" para os concursos, referiu.

 

"Até agora, a graduação para efeitos de concurso só tinha em conta a classificação obtida na formação inicial realizada no Ensino Superior, nunca sendo valorizada a qualidade do trabalho desenvolvido", afirmou.

 

Questionado sobre um processo de avaliação "conturbado", Alexandre Ventura disse que "não há processos perfeitos" e que este se irá "aperfeiçoando com o contributo de todos".

 

Para o secretário de Estado é uma questão de "justiça" os professores terem o "benefício da avaliação".

 

Quanto aos professores que não foram avaliados, assegurou que estão "em pé de igualdade" com os avaliados e que também vão poder ser "opositores neste concurso".

 

 

 

Faça uma visita à fonte da informação clicando aqui

Ex-ministra do Trabalho diz que megafundo europeu pode ser "embrião" para emissão de dívida europeia

11.06.10, Planeta Cultural

A ex-ministra do Trabalho e conselheira europeia, Maria João Rodrigues, considerou hoje que a criação do mecanismo para concretizar o megafundo europeu pode ser o "embrião" para a estrutura de emissão de títulos europeus de dívida soberana, os 'eurobonds'.

"Este pode ser o embrião de um mecanismo que possa emitir títulos de dívida da zona euro, os chamados eurobonds", afirmou Maria João Rodrigues, durante o colóquio "Integração Europeia e Democracia", que decorre hoje e sábado no Mosteiro dos Jerónimos.

A antiga governante, que acompanhou de perto a elaboração da estratégia de Lisboa, considerou ainda que, no que diz respeito à reforma do sistema financeiro, "grande parte está por fazer", criticando ainda a demora na aprovação do mecanismo de apoio aos Estados com dificuldades de financiamento, o megafundo europeu que deverá ter cerca de 440 mil milhões de euros da parte do eurogrupo, a que acresce uma contribuição do Fundo Monetário Internacional.

"O facto deste primeiro instrumento já estar em cima da mesa em Fevereiro e só ser adoptado agora provocou um contágio (...) Isto podia ser perfeitamente evitado", disse ainda, considerando que o mecanismo pode servir para "lançar um aviso aos mercados" de que na zona euro, são os países que controlam o risco da dívida soberana.

A antiga governante demonstrou-se ainda favorável a uma supervisão mais alargada por parte das instituições europeias sobre os Estados membros, mas que para tal, tem haver também incentivos positivos para os Estados cumpridores dos requisitos orçamentais e que a estratégia macroeconómica deve passar não só pelos planos de austeridade, mas por politicas orientadas para o crescimento.

 

 

Visite a fonte da informação aqui