Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Onde estão os sindicatos?

22.04.10, Planeta Cultural

ERPAV, esta é a designação da nova força policial, composta por Agentes, Agentes Principais, Subchefes e Chefes, pertencentes ao COMETPOR, de momento ainda não são necessários oficiais, dadas as circunstancias, pessoal que faz parte das secretarias, não se cansando muito, pois não fazem uma noite completa, fins-de-semana, feriados e pontes, ganhando contudo o mesmos suplementos que o desprezado patrulheiro, que neste momento, julgo, nem devia existir na Policia, pois internamente, ninguém lhe passa cartão, possivelmente não faz falta.


A Nova, é que segundo alguns Comandantes do COMETPORT, sim alguns porque hoje, são muitos, os elementos que compõem esta nova força Policial, têm casa, dívidas, para pagar, coisas que devem ser desconhecidas para o Patrulheiro, que faz quatro noites seguidas de 16 em 16 dias, noites que duram toda a noite, não são só até às 03H00, estes não devem ter casa, dividas, aliás, não devem ter mulher, filhos, etc…, meus senhores, o Patrulheiro não é preto, que me desculpem os negros.


Agora, com o novo estatuto, o Patrulheiro, o tal que pisa paralelo, que faz turnos, que na noite de Natal, de Passagem de Ano, de S. João, etc…, que nos dias de Páscoa, de Carnaval, dos Santos, etc…, está ao serviço, sem qualquer compensação, enfim neste momento, nem direito tem a gozar o feriado mais tarde, o que significa que o patrulheiro não tem direito a feriados, um dos direitos mais elementares de qualquer cidadão, e na Polícia ninguém é responsabilizado, nem se responsabiliza pelo corte destes dias ao desgraçado, nem diz onde consta que se cortem estes dias, qual o manual aplicado, só na PSP.


O Patrulheiro, neste momento, apenas tem direito a gozar as pontes, claro em dia que não prejudique o serviço, não pode gozar férias quando deseja, mas sim quando o efectivo comporta e não haja sobreposição com outros elementos do mesmo grupo, as férias não podem ser gozadas até 31 de Dezembro, enfim o patrulheiro faz falta ou não faz falta ao normal funcionamento desta Instituição, é que por vezes dá a entender que sem ele o serviço não funciona, outras vezes, são tão insignificantes, ao ponto de todos terem suplementos de risco de especiais, de unidade, etc., etc., etc., são tantos que já ignoro, e o patrulheiro apenas colhe a migalha mais insignificante, ou seja, com o novo Estatuto, mais uma vez nada ganhou.


Os Patrulheiros (Agentes, Agentes Principais, Subchefes e Chefes), que deveriam ser designados de OPERACIONAIS, que não têm coletes anti-bala à medida, que são os primeiros a chegar ao local das ocorrências, sejam de que índole fôr, são avaliados pela cara, pela amizade do Comandante, que não têm louvores com apenas meia dúzia de anos de serviço como alguns elementos frequentadores de secretaria. Porquê?, a qualidade do serviço é diferente?


Para todos quantos trabalham em prol do Patrulheiro, um grandioso agradecimento, em especial às Associações Sindicais, que mais apetece mandar à …., e para Maio, podem contar comigo para as suas reivindicações.


A Contituição, no seu art.º 4.º diz: Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.» Onde está o Patrulheiro?

 

 

 

Medida é retroactiva: Nova taxa incide sobre mais-valias obtidas desde o início do ano

22.04.10, Planeta Cultural

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, afirmou esta tarde que as mais-valias bolsistas serão tributadas já este ano com uma taxa de 20%. E a base de tributação será o saldo entre as mais e as menos valias. Deste modo, as mais-valias apuradas desde o início deste ano, antes da medida entrar em vigor, já vão ter tributadas com a nova taxa.

Na conferência de imprensa do Conselho de Ministros, Teixeira dos Santos afirmou que a tributação de 20% sobre as mais-valias bolsistas será aplicada ao “saldo das mais e menos-valias registado ao longo do ano de 2010”, salientando que “cobre todo o ano e refere-se a todas as operações”.

Os especialistas esperavam que a nova taxa incidisse apenas sobre as mais-valias obtidas a partir do momento da entrada em vigor desta medida, o que, com as palavras hoje preferidas pelo ministro, não se confirmam. Deste modo, as mais-valias obtidas, por exemplo, em Janeiro deste ano (quando a medida não era ainda conhecida), vão pagar a nova taxa.

Teixeira dos Santos explicou que “alguém que tenha um saldo de 1.000 euros entre mais e menos-valias paga apenas 20% sobre 500 euros” o que na realidade corresponde a uma taxação de “10% sobre as mais-valias”, sublinhou. Isto porque o imposto é isento aos primeiros 500 euros de mais-valias.

"Porque razão as mais valias deveriam ser tributadas de forma diferente dos depósitos", afirmou, quando questionado sobre a proposta do PSD de limitar esta taxa a 15%.

“Chamo a atenção que a taxa de 20% está alinhada com os nossos parceiros europeus”, referiu o responsável na conferência de imprensa.

Quanto aos investidores não residentes “mantemos o regime vigente”, ou seja, estão isentos de tributação.

 

Fonte: Jornal de Negócios

Telma Monteiro bronze nos Europeus

22.04.10, Planeta Cultural
A judoca portuguesa Telma Monteiro conquistou hoje, quinta-feira, a medalha de bronze na categoria de -57 kg dos Europeus de Viena, ao vencer a holandesa Juul Franssen por ippon.

No primeiro confronto na carreira das duas judocas, Telma chegou ao bronze a 1.43 minutos do final do combate, resolvendo a questão com uma pega que resultou na projeção de Franssen, vice- campeã mundial de juniores.

Telma Monteiro chegou a Viena para defender o título europeu conquistado em Abril do último ano, em Tbilissi, mas cedo se viu impedida de o conseguir, ao ser derrotada no segundo combate pela campeã olímpica da categoria, a italiana Giulia Quintavalle.

A judoca do Benfica foi relegada para as repescagens e aí garantiu o despique pela medalha de bronze, depois de vencer a sérvia Jovana Rogic, por yuko.

No combate para a única medalha que podia conquistar, a judoca portuguesa esteve sempre em vantagem, frente a uma adversária mais alta e que "trazia" para o tatami a proeza de ter derrotado nestes Europeus a campeã mundial, a francesa Morgane Ribout.

Na passagem do primeiro minuto, as duas judocas estavam igualadas em castigos, mas Franssen viria a ser mais duas vezes advertida, por atitude passiva, já a meio do combate.

Mais um castigo colocaria a holandesa em muito má situação, mas os juízes castigaram Telma - por possível falso ataque -, e segundos depois a portuguesa aproveitou uma tentativa de ataque de Franssen para lhe fazer a pega.

Telma Monteiro chegou ao bronze "via" ippon e conseguiu aquela que é a sua sexta medalha em Europeus de Judo.

A mais medalhada judoca portuguesa conta em Europeus com três medalhas de bronze (Bucareste2004 e Roterdão2005 nos -52 kg, e agora Viena2010 nos -57 kg) e três títulos de campeã europeia (Tampere2006 e Belgrado2007 em -52 kg, e Tbilissi2009 em -57 kg).

Antes da partida para Viena, Telma Monteiro tinha deixado claro que iria lutar por uma medalha, como sempre faz, apesar de ter tido um final de 2009 e início de 2010 em condições menos favoráveis devido a uma lesão no joelho.

Ainda hoje, nos Europeus de Viena, as portuguesas Leandra Freitas (-48 kg) e Joana Ramos (-52 kg) foram eliminadas ao primeiro combate, a primeira frente à russa Liudmila Bogdanova (por yuko) e a segunda perante a checa Lucie Chytra (por ippon).

Em masculinos, Diogo César também não passou da primeira ronda, na qual perdeu frente ao moldavo Victor Scvortov, por yuko.

Na sexta feira, entram em ação Ana Cachola (-63 kg), que defronta a espanhola Yahaira Aguirre de Juan, e João Pina (-73 kg), frente ao checo Jaromir Jezek.

A luso-cubana Yahima Ramirez apenas compete no sábado, dia em que se disputa a categoria de -78 kg, perante a eslovena Ana Velensek.

Fonte: JN