Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Zon permite acessos a 100 Mbps a 1,2 milhões de clientes

01.07.09, Planeta Cultural

A Zon está perto de chegar a 1,2 milhões de clientes com velocidades de acesso à Internet de 100 Mbps (Megabits por segundo), disse hoje Luís Lopes, administrador da operadora.

Até ao final do ano chegará a 2,8 milhões de clientes, salientando que haverá algumas casas que não ficarão cobertas com esta velocidade.

Ao Negócios, Luís Lopes disse que a Zon ainda estava a ponderar se concorreria ao concurso lançado pelo Governo para cobrir a região centro, em zonas onde não há concorrência.

Estes números qualificam a operadora como tendo a maior cobertura com estas velocidades de acesso, diz Luís Lopes. É que, segundo explicou o responsável, para dar esta capacidade, a Zon não precisa de fazer grandes construções de rede, basta um "up-grade" à infra-estrutura que já detém. Por isso, o investimento que necessita não é tão elevado como outros operadores.

A Zon estima investir cerca de 200 milhões de euros no total deste ano, sendo que neste valor se inclui o investimento na captação dos clientes. Por isso, o valor final de investimento “depende do sucesso comercial que tivermos”.

Para enfatizar estes níveis de cobertura, a Zon lançou uma campanha publicitária, com Nicolau Breyner, João Vieira Pinto e Boss AC.

A oferta da Zon na alta velocidade, que vai nomear-se Zon Fibra, tem duas velocidades de acesso, que a empresa já disponibilizava. Os 50 Mbps, com 110 canais de televisão, e chamadas ilimitadas para a rede fixa nacional e para mais 20 países (18 na Europa, Estados Unidos e Canadá), custam 57,9 euros nos primeiros 12 meses. Os 100 Mbps, que tem também 110 canais e chamadas ilimitadas para rede fixa nacional e 20 países, custam 64,9 euros.

A Zon explica que não enquadra a sua oferta de 20 Mbps nesta oferta de alta velocidade (Zon Fibra) porque 30% da base de clientes já têm estas velocidades e como tal não considera ser uma oferta de nova geração.
 

 

Fonte: Jornal de Negócios