Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

22 mortos em jogo de apuramento na Costa do Marfim para o Mundial 2010

29.03.09, Planeta Cultural

Vinte e duas pessoas morreram e 132 ficaram feridas em consequência de uma desordem causada pela queda de um muro, no Estádio Houphouer-Boigny, durante o jogo de apuramento para o Mundial2010 de futebol Costa do Marfim-Malawi, disputado em Abidjan.

 

Segundo fontes médicas, citadas pela agência francesa AFP, a queda de um muro provocou uma primeira agitação, à qual a polícia retaliou com gás lacrimogéneo, provocando uma desordem ainda maior e a consequente morte de 22 das 50.000 pessoas que assistiam ao encontro.

 

No estádio decorria o jogo entre a Costa do Marfim e o Malawi, que a equipa da casa venceu por 5-0, com dois golos de Didier Drogba, alcançando assim o primeiro lugar do Grupo E da Zona Africana.

 

 

Fonte Inf.- Jornal de Notícias

EUA: Seis pessoas são mortas a tiro em casa de repouso

29.03.09, Planeta Cultural

Um homem armado matou hoje a tiro seis pessoas, incluindo um agente da polícia, e feriu outras três numa casa de repouso para idosos em Carthage, na Carolina do Norte, informou a imprensa local, citando fontes policiais.

 

O atirador, que também ficou ferido, foi levado juntamente com as vítimas para um hospital local, segundo a rede de televisão WRAL.

 

A polícia não indicou o que teria motivado o ataque ou qual a relação do atirador com a casa de repouso.

 

Fonte Inf.- Diário Digital

Rede de espionagem informática entrou em computadores portugueses

29.03.09, Planeta Cultural

Uma rede de espionagem informática conseguiu infiltrar-se em 1295 computadores de governos, incluindo o de Portugal, embaixadas, organizações de defesa dos direitos humanos e meios de comunicação.

 

No total, a rede de espionagem informática entrou em computadores de 103 países, segundo um relatório da Universidade de Toronto publicado este domingo.

 

Segundo o relatório divulgado na Internet pelo Munk Center for International Studies da Univesidade de Toronto não é possível atribuir com certeza a autoria da espionagem da rede que os investigadores denominam GhostNet (RedeFantasma), mas sublinham que três dos quatro servidores de controlo estão em províncias chinesas e o quarto na Califórnia, Estados Unidos.

 

Os autores do relatório, um grupo de acompanhamento da ciber-delinquência denominado The Information Warfare Monitor que se foca na utilização da rede como domínio bélico estratégico, trabalham sob o patrocínio do SecDev Group, uma consultora de Otava especializada em regiões em risco de violência, e do Laboratório Cidadão da Universidade de Toronto.

 

Na opinião dos investigadores, não se pode concluir definitivamente que a espionagem envolva o governo chinês, apesar do controlo do sistema ter origem, quase exclusivamente, em computadores na China.

 

No entanto, a origem desta investigação está relacionada com uma petição do gabinete do Dalai Lama em Dharamsala, norte da Índia, para que os peritos analisassem a rede de computadores, dos quais tinham sido retirados virtualmente documentos e cujos microfones e câmaras web eram controladas por controlo remoto.

 

O diário The New York Times, que teve acesso às "impressões digitais dos espiões", sublinha que um dos possíveis rastos do envolvimento oficial da China é a chamada telefónica recebida por um diplomata não identificado.

 

A maioria dos computadores infectados pertence a países ou missões diplomáticas do Sudeste Asiático, escritórios de Taiwan, indianos e tibetanos, apesar do relatório acessível na rede não permitir ver nem a lista dos computadores infectados nem os nomes dos titulares destes.

 

No entanto, na lista por organismos aparecem os escritórios da agência norte-americana AP em Londres e Hong Kong e o canal de televisão New Tang Dinasty Television criado por grupos de apoio a Falun Gong. Na lista também aparece a operadora telefónica CANTV da Venezuela, o ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão, a embaixada da China nos Estados Unidos, a consultora Deloitte Touch, a rede informática do governo de Portugal, a embaixada de Malta na Líbia e entidades das ilhas Salomão.

 

A Lusa tentou obter uma reacção do Ministério dos Negócios Estrangeiros mas tal não foi possível até ao momento.

 

 

Fonte Inf.- Jornal de Notícias