Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Como os traficantes colombianos usavam o HSBC para branquear capitais

02.01.13, Planeta Cultural

Quando alguns colombianos foram acusados pela justiça de branqueamento de capitais, em Janeiro de 2010, pouca atenção foi dada ao caso. Todos pensaram que se tratavam apenas de alguns pequenos operativos, que pagavam pelos crimes de um cartel inteiro.

Um desses homens era Julio Chaparro, pai de quatro filhos, que tinha três fábricas de roupa para crianças, na Colômbia.

Para as autoridades americanas este caso era tudo menos vulgar. Segundo noticia a Reuters, Chaparro ajudou um sem número de traficantes a lavar dinheiro, que tiraram partido da falta de controlo nas transferência bancárias, por parte do HSBC. Esta foi uma das pistas mais importantes, que conduziu à multa de 1,9 mil milhões de dólares, cerca de 1,43 mil milhões de euros, pagos pelo banco.


Chaparro era o maestro da operação, segundo James Hayes, o agente responsável pela investigação. Por outro lado, Ephraim Savitt, o advogado de Chaparro, afirmou que este era um simples membro da operação, que tinha muitos intervenientes. Foi preso na Colômbia, em 2010, e extraditado para os Estados Unidos, em 2011, onde é acusado de branqueamento de capitais e de conspiração, estando a aguardar sentença.

Contudo, a maior parte dos procedimentos sobre o branqueamento de capitais continuavam ainda desconhecidos, até que algumas achas vieram a público. O grupo de operações americano usou uma fonte infiltrada, escutas, e investigou computadores e contas de correio electrónico.

Os cartéis vendiam os narcóticos nos Estados Unidos, enviavam o dinheiro para o México através de correios de droga, e este era depositado na unidade do HSBC daquele país, onde grandes depósitos podiam ser feitos sem qualquer suspeita, de acordo com o Departamento de Justiça americano.

Chaparro e muitos outros utilizavam as contas no HSBC México para depositar o dinheiro da droga, enviando-o para alguns negócios nos Estados Unidos. Os fundos eram depois utilizados para comprar bens de consumo, que eram exportados para a América do Sul, ficando assim completo o ciclo de branqueamento de capitais.

 

 

Se assim o desejar, visite a fonte da informação clicando aqui