Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Comentários recentes

  • Triptofano!

    Realmente no Porão qualquer excitação ficaria auto...

  • Veegam

    Como obter Stellar Lumens gratis!https://steemit.c...

  • Firmino

    deus vê a quem a gente faz bem e depois no fim lev...

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!





Racionamento é dizer "temos um medicamento bom, mas para si não há”

Quinta-feira, 27.09.12

Reumatologista mostra-se chocado com o parecer do Conselho de Ética e diz que os valores avançados no caso da artrite reumatóide contêm incorrecções. "Esse número é fantasmagórico", diz António Vilar.

 

O parecer do Conselho de Ética para as Ciências da Vida, que defende a racionalização e mesmo o racionamento de tratamentos para doenças como o cancro ou a sida, continua a motivar reacções. O secretário-geral da Associação dos Doentes com Artrite Reumatóide mostra-se incrédulo e denuncia algumas incongruências do documento.

Mais que o parecer, há uma palavra que caiu muito mal, a defesa de um "racionamento explícito e transparente" dos medicamentos mais caros. António Vilar, reumatologista e dirigente da associação dos doentes com artrite reumatóide está chocado: “Só tem um significado, é que nalgum momento temos de dizer ao doente que temos aqui um medicamento muito bom, mas como já esgotámos as verbas, para si não há. Isto é que é racionar, para mim, e choca-me profundamente.”

Questionado sobre a existência no país de medicamentos de eficácia duvidosa para a artrite reumatóide, o médico remete para a Infarmed. “Se algum fármaco que o Infarmed aprovou e comparticipou não tem eficácia comprovada, isso remete para a eficácia e fiabilidade da nossa agência de medicamentos”.

Caso da artrite reumatóide
A acompanhar o parecer do Conselho Nacional de Ética surgem tabelas com a indicação os fármacos usados para as três patologias em causa e os respectivos custos nos últimos anos. No caso da artrite reumatóide terá custado no ano passado mais de 222 milhões de euros. António Vilar entra de novo em choque: “Aqui não há derrapagens como nas obras do Estado e nas Parcerias Público-Privadas. O Estado sabe exactamente quanto é que gasta todos os anos com os biológicos na Artrite Reumatóide e não gasta nem mais um euro, porque o que for a mais é suportado pela indústria farmacêutica.”

O médico não tem dúvidas de que haverá algum engano: “Esse número é fantasmagórico. Os números que dispomos para tratamento de todas as doenças reumáticas com biológicos foi, no ano passado, 48 milhões.”

Contactado pela Renascença, o Infarmed diz que os números são os fornecidos pelas instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas reconhece que no caso da artrite reumatóide terá havido um erro na informação avançada pelo conselho, uma vez que 222 milhões foram os gastos com os medicamentos para o cancro. Em 2011 a artrite reumatóide custou, afinal, 66 milhões.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 23:04


Pesquisar

 



Contacto

planetacultural@sapo.pt

Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural