Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Planeta Cultural

Acima de tudo, cultura geral

Petróleo regressa aos ganhos com Líbia no centro das atenções

28.02.11, Planeta Cultural

Os preços do petróleo estão de novo a subir, a revelarem uma forte volatilidade.

 

A matéria-prima negoceia novamente em terreno positivo, com o clima de violência na Líbia no centro das atenções do mercado.

O CEO da Saudi Arabian Oil Co., Khalid Al-Falih, disse hoje que a sua empresa está pronta a compensar qualquer redução do fornecimento de crude líbio, o que ajudou a aliviar a pressão no mercado petrolífero e colocou as cotações no vermelho.

No entanto, o movimento de queda durou pouco. A produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo já registou uma queda de 1% em Fevereiro, segundo dados da Bloomberg, o que contribuiu para aumentar os receios.

Se o actual clima de contestação em vários países do Médio Oriente e do Norte de África se propagar a outras importantes regiões produtoras de crude, nem a capacidade extra da OPEP – avaliada em cinco milhões de barris por dia – servirá para colmatar a redução da oferta nos mercados internacionais.

O facto de o emirado de Omã estar já também a enfrentar protestos contribui para intensificar estes receios.

Fadel Gheit, analista da Oppenheimer, disse ao Negócios Online que a evolução do mercado petrolífero dependerá fortemente de qual será o próximo regime do Médio Oriente a ser derrubado e da dimensão das perturbações na oferta.

“A Líbia e a Argélia exportam, juntas, menos do que os Emirados Árabes Unidos ou o Koweit. A capacidade de produção adicional da OPEP é de cinco milhões de barris por dia, pelo que não é provável que haja escassez no fornecimento. No entanto, uma vez que os preços do petróleo variam em função da percepção, especulação e manipulação do mercado pelas instituições financeiras, as cotações do crude norte-americano podem atingir os 110 dólares muito em breve e os 120 dólares no Verão”, comentou o analista.

 

 

Visite aqui a fonte da informação