Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Comentários recentes

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!

  • Planeta Cultural

    .......deve ganhar pouco no Real de Madrid e preci...

  • Sam

    Para quem gosta de redes sociais e quer ganhar uns...

  • Planeta Cultural

    Com um alvarinho a acompanhar...Ui....mas que peti...







Canários de cor

Terça-feira, 24.03.09

O canário selvagem é verde raiado de preto ou castanho. As penas da cabeça, dorso e lados têm veios escuros. As penas das asas e cauda são escuras. As cores escuras provêm de duas substâncias corantes chamadas melaninas, que estão armazenadas nas células das penas sob a forma de grãos. Onde estes grãos estão mais juntos, as penas são mais escuras, e mais claras quando estão menos juntos.

 

Os tons pretos são dados por pequenos grãos castanhos – escuros ou pretos, que se chamam eumelaninas. Os tons castanhos provêm de grãos castanho chocolate ou castanho-amarelado, que se chamam phaeomelaninas. Comparativamente ao pássaro domesticado, o canário selvagem tem igualmente riscas ao longo do corpo, pretas-acinzentadas e acastanhadas. Nos canários selvagens é mais notória a diferença de sexos. As cores dos canários são definidas, pois, por dois grupos de cores:

 

As "cores lipocrómicas",

 

As "cores melánicas"

 

As "cores lipocrómicas " devem-se às carotenóides que aparecem nas plantas verdes. Os pássaros absorvem estas substâncias na alimentação e o organismo transforma-as em "cores lipocrómicas", que são levadas pelo sangue para as penas. Isto acontece apenas no período da mudança de penas, por isso é particularmente importante que neste período as aves comam vegetais, para poderem adquirir uma bonita e boa cor, principalmente nos canários de factores amarelo e vermelho. Quando a mudança das penas está passada, a alimentação deixa de ter influência nas substâncias lipocrómicas.

 

A substância lipocrómica (cor - base) é amarela no canário verde. Uma mutação faz com que a substância lipocrómica se torne numa cor - base branca, da qual os canários acinzentados (antes considerados azuis), assim como brancos ou em parte brancos, provêm.

 

A mesma mutação, que permitiu a cor – base amarela transformar-se em branca, pode ser transferida, através de cruzamentos, para outras mutações, dando canários castanhos, ágata e isabel. Uma terceira cor é a vermelha, mas ao contrário do que acontece com a branca, não é conseguida através de mutação, mas por cruzamento com uma outra espécie, cardeal vermelho – Spinus cucullatus – da Colômbia e Venezuela. A finalidade deste cruzamento era obter um canário vermelho, o que até certo ponto foi conseguido. As cores escuras, ou cores melánicas, têm influencia não só no padrão (riscas), nomeadamente das penas das asas e da cauda, mas também na cor – base. Ao contrário do que acontece com as cores chamadas lipocrómicas, a alimentação não exerce nenhuma influência sobre as cores melánicas. O branco da cauda, assim como partículas amarelas nas penas menores, aparecem através de mutações. A escolha destes pássaros coloridos permite o aparecimento dos canários matizados de amarelo e amarelos lisos. Nos canários coloridos, as melaninas não se espalham regularmente por toda a plumagem, mas parece que preferem partes definidas: cabeça, à volta dos olhos, peito, lados, dorso, pescoço e penas exteriores da cauda. No interior da sua plumagem existem muitas variações que vão desde o verde com uma ou apenas algumas penas de cor clara até ao amarelo liso com apenas algumas penas escuras.

 

Existe ainda um factor muito raro – factor óptico "azul" – que tem influência nas células das penas. Ele transforma a cor amarela em amarelo – limão, com um brilho esverdeado, cinzento – ardósia para azul metálico, e faz com que os pássaros vermelhos tenham uma cor mais intensa. Dentro da cor amarela, podem-se constatar dois matizes diferentes, provocados por diferentes estruturas de penas. Um deles é amarelo – vivo, e outro amarelo -claro. Actualmente estas diferenças chamam-se respectivamente intensa e nevada. Os pássaros de cor intensa são aparentemente menores e elegantes, o que se deve ao facto da plumagem ser mais fina e menos cerrada do que nos pássaros de cor nevada. Nestes, as penas são largas e a cor – base não chega a atingir os rebordos das penas. Nos pássaros de factores amarelo e vermelho, os rebordos das penas são brancos, o que faz a plumagem parecer salpicada de geada. Por isso, é comum chamarem-se, em inglês, "frosted". Esta estrutura de penas, também se encontra em todas as outras cores, mas é mais visível nos pássaros de cor – base amarela ou vermelha. Nos pássaros nevados de cor verde, os rebordos das penas são cinzentos. Nos de cor – base branca, é mais difícil separar intensos e nevados.

 

Uma terceira cor "lipocrómicas", chamada "mosaico", aparece com mais realce nos pássaros de factor amarelo ou vermelho. Nos pássaros – "mosaico", a plumagem é amarela/vermelha – esbranquiçada, mas com uma base amarela/vermelha mais intensa no ângulo dos olhos, no peito, nos ombros e no uropígio. Esta cor aparece em maior expressão nos machos e devem ter sido herdados do canário selvagem vendilhão – capuchinho, onde, exactamente nas fêmeas, as partes mencionadas acima têm uma cor mais profunda e intensa. O padrão "mosaico" também se pode encontrar noutras cores, não sendo porém tão evidente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 00:40




Pesquisar

 




Contacto

planetacultural@sapo.pt


Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural

Quantos nos visitaram desde 13FEV2016?

-------------------------