Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Comentários recentes

  • Veegam

    Como obter Stellar Lumens gratis!https://steemit.c...

  • Firmino

    deus vê a quem a gente faz bem e depois no fim lev...

  • Planeta Cultural

    O ser humano consegue bem de longe ser pior que os...

  • Maribel Maia

    É com muita pena que leio notícias dessas!

  • Planeta Cultural

    .......deve ganhar pouco no Real de Madrid e preci...







Benfica vs Sporting - Online

Domingo, 31.08.14

Se assim o desejar, o jogo entre o Benfica e o Sporting, a contar para a 3.ª Jornada da Primeira Liga, pode ser visto através de um dos links abaixo indicados.

 

  

Transmissão agendada para as 19:00

 

 

Link:»»» Benfica vs Sporting - Online

Link:»»» Benfica vs Sporting - Online

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 12:51

FC Porto vs Moreirense - Online

Domingo, 31.08.14

Se assim o desejar, o jogo entre o FC Porto e o Moreirense, a contar para a 3.ª Jornada da Primeira Liga, pode ser visto através de um dos links abaixo indicados.

 

  

Transmissão agendada para as 18:00

 

 

Link:»»» FC Porto vs Moreirense - Online

Link:»»» FC Porto vs Moreirense - Online

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 12:45

Vladimir Putin - "É melhor ninguém se meter com o país"

Sábado, 30.08.14

Na sexta-feira, no mesmo dia em que Durão Barroso declarava que a solução para a crise na Ucrânia passa por novas sanções à Rússia - a Comissão Europeia elaborou um conjunto de opções para ser apresentado este sábado, na cimeira extraordinária de Bruxelas -, Vladimir Putin destacava o poder bélico da Rússia no fórum da juventude Seliger 2014, na região de Tver. E avisava... é melhor ninguém se meter com o país. 

 

A incursão militar russa na Ucrânia tem sido negada pelo Presidente da Rússia, que aponta o dedo ao governo ucraniano, responsabilizando-o pelo conflito que já fez mais de 2000 mortos.

Sob o olhar de jovens, Putin afirmou ser crucial "obrigar" Kiev a sentar-se à mesa de negociações com os separatistas pró-russos do leste. Esta é a via para a paz. E foi mais longe, quando comparou as ações das forças militares governamentais em Donetsk e Lugansk ao cerco nazi a Leninegrado na segunda guerra mundial.

O chefe da diplomacia russa acusou ontem a NATO de "utilizar imagens de jogos de computador" para demonstrar a existência de tropas russas na Ucrânia. Serguei Lavrov disse mesmo que "ocultar a evidência é uma característica particular dos EUA e muitos países da UE" em relação à situação na Ucrânia.

Na iminência de novas sanções da União Europeia - o presidente francês François Hollande defendeu este sábado que é preciso elevar a punição -,  a intervenção em Seliger foi aproveitada por Putin para deixar recados. A Rússia não quer, nem tem intenção de entrar "num conflito a grande escala", sublinhou, mas "devemos estar preparados para repelir quaisquer agressões".

"Quero recordá-los que a Rússia é uma das mais poderosas potências nucleares. Não são só palavras, isto é uma realidade", acrescentou.

 

 

Para visitar a fonte da informação clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 20:51

Há rações para cães e gatos feitas à base de animais doentes

Sexta-feira, 29.08.14

O escândalo rebentou em Espanha mas já há casos reportados em Portugal. Algumas rações para cães e gatos têm, na sua génese, restos de outros animais doentes.

 

Conta a edição de hoje do jornal i que tanto as autoridades espanholas como as portuguesas sinalizaram múltiplos casos de más práticas a nível da transformação alimentar na Península Ibérica.

 

No país vizinho, mais concretamente na cidade de Sevilha, uma investigação levou à descoberta de que, alegadamente, a empresa Dasy, do Grupo PGG, faria uso de cães e cavalos mortos, bem como de outros animais doentes, no âmbito do fabrico de farinhas para alimentar não só animais domésticos como vacas, porcos e galinhas.

 

Ora, estes últimos são parte integrante da dieta mediterrânica, pelo que se observa o risco da introdução de doenças na cadeia alimentar dos seres humanos.

 

De acordo com fontes do setor contactadas pelo i, este perigo não está circunscrito ao território espanhol, uma vez que os subprodutos alimentares circulam livremente na Península Ibérica.

 

Saliente-se que em Portugal, só nos últimos meses, a ASAE já instaurou 20 processos contraordenacionais a operadores deste ramo, sendo que “no âmbito destas ações foram também instaurados três processos-crime por fraude de mercadorias”, adianta uma fonte oficial.

 

 

Para visitar a fonte da informação, clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 23:03

Como é feito o dinheiro

Quinta-feira, 28.08.14

No mês passado, os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) anunciaram a criação do seu próprio banco de desenvolvimento, que visa reduzir a sua dependência do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, dominados pelo Ocidente e focados no dólar. Para estas economias, será vantajosa a maior influência e flexibilidade das suas políticas monetárias. No entanto, não devem ignorar as valiosas lições oferecidas pelas recentes inovações, em termos de política monetária, dos bancos centrais dos países avançados.


Em Junho, o Banco Central Europeu, seguindo o exemplo dado pelo Banco de Inglaterra, em 2012, identificou "o crédito bancário para a economia real" como uma nova meta política. Umas semanas mais tarde, o Banco da Inglaterra anunciou a introdução de uma forma de orientação do crédito para limitar o seu uso em transacções de activos imobiliários.

Antes da crise financeira, em 2008, todas estas políticas teriam sido desconsideradas por se tratarem de intervenções indevidas nos mercados financeiros. De facto, em 2005, quando um de nós (Werner) recomendou tais políticas para evitar as "recorrentes crises bancárias", enfrentou críticas veementes.

Em Março deste ano, contudo, o Banco de Inglaterra reconheceu o que ele e outros tinham feito – através dos seus créditos, os bancos criam 97% da oferta de moeda. Tendo em conta que um dólar em novos empréstimos bancários aumenta a oferta de moeda em um dólar, os bancos não são os intermediários financeiros; eles são os criadores de dinheiro.

O crescente reconhecimento da verdadeira função dos bancos mudará as regras do jogo em áreas como a política monetária e a regulação financeira, permitindo que os responsáveis combatam eficazmente problemas como as crises bancárias recorrentes, o desemprego e o subdesenvolvimento. Mas isso vai levar tempo a ser totalmente aceite – até porque desafia um princípio fundamental da economia tradicional. Na verdade, de acordo com este novo paradigma, a poupança, embora útil, não é um pré-requisito essencial para o investimento e, portanto, para o crescimento económico. Os Estados Unidos, que passaram por um período prolongado de crescimento sem poupança, são um exemplo claro disso mesmo.

Em geral, o crescimento económico depende de um número crescente de transacções e de um aumento da quantidade de dinheiro para financiá-las. Os bancos proporcionam esse financiamento ao ampliar o crédito, mas o seu impacto depende de quem o recebe. O crédito bancário para transações relacionadas com o PIB afecta o PIB nominal, enquanto o crédito bancário para investimento na produção de bens e serviços gera um crescimento não inflacionário.

O problema reside no crédito bancário para transacções de activos, que muitas vees geram ciclos de altos e baixos na economia. Quando oferecem demasiado crédito deste tipo, os bancos elevam os preços dos activos para níveis insustentáveis. Quando o crédito inevitavelmente diminui, os preços colapsam. À medida que os especuladores vão à falência, a percentagem de crédito em incumprimento nos balanços dos bancos aumenta, forçando os bancos a reduzir ainda mais o crédito. Basta uma queda de 10% no valor dos activos dos bancos para provocar uma quebra no sistema bancário.

Com a compreensão deste processo, os responsáveis podem tomar medidas destinadas a evitar futuras crises bancárias e resolver recessões pós-crise de forma mais eficaz. Para começar, devem restringir o crédito bancário para transações que não contribuem para o PIB.

Além disso, no caso de uma crise, os bancos centrais devem comprar aos bancos os activos não rentáveis ao seu valor nominal, para sanear completamente os seus balanços, em troca de uma obrigação de se submeterem a uma monitorização do crédito. Dado que não se injectaria dinheiro no resto da economia, este processo - que a Reserva Federal dos Estados Unidos assumiu em 2008 - não geraria inflação.

A fim de estimular o crédito bancário produtivo - e aumentar a eficácia da política fiscal - os governos devem parar de emitir obrigações e pedir dinheiro emprestado aos bancos por meio de contratos de crédito, muitas vezes disponíveis a preços mais baixos do que os rendimentos dos títulos. Isso reforçaria o crédito bancário e estimularia a procura, o emprego, o PIB e as receitas fiscais.

Finalmente, deve ser estabelecida uma rede de pequenos bancos locais sem fins lucrativos que proporcionem serviços bancários universais e crédito às PME, como o esquema que suportou a força económica da Alemanha e a sua resiliência ao longo dos últimos 200 anos. Além de tornar o sector bancário mais sólido, tal iniciativa melhoraria o indicador de criação de emprego por dólar de crédito bancário.

Naturalmente, os grandes bancos multinacionais, que beneficiam da percepção de que as economias precisam de poupança, deverão resistir a tais reformas. Durante décadas, esses bancos têm vendido "poupança externa" aos países em desenvolvimento, emprestando a juros altos e em moeda estrangeira, alimentando a acumulação de grandes quantidades de dívida externa. Por outras palavras, emitiram crédito que contribuiu pouco para a economia local, e depois drenaram os recursos locais através de juros fazendo explodir a dívida denominada em moeda estrangeira.

Da mesma forma que os BRICS rejeitaram as instituições económicas lideradas pelo Ocidente, as economias em desenvolvimento fariam bem em expulsar os bancos estrangeiros e permitir que as instituições financeiras locais criassem dinheiro para fins produtivos. Afinal, o desenvolvimento económico bem-sucedido - em países como os EUA, Alemanha, Japão e China - tem dependido da criação interna de crédito para o investimento produtivo.

Durante a Grande Depressão dos anos 1930, Michael Unterguggenberger, o prefeito da cidade tirolesa de Wörgl, realizou uma experiência. A fim de reduzir o desemprego e concluir os projectos de obras públicas tão necessárias, ele contratou os trabalhadores e pagou-lhes com "recibos de trabalho" que poderiam ser usados ??para pagar os impostos locais. Com a autoridade local a emitir dinheiro pelo trabalho realizado, a economia local disparou.

O banco central, no entanto, não se mostou satisfeito, e decidiu fazer valer o seu monopólio sobre a emissão de moeda, forçando Unterguggenberger a acabar com o dinheiro público local fazendo com que Wörgl voltasse a cair em depressão. Cerca de 80 anos depois, a cidade inglesa de Hull começou a implementar um esquema semelhante, usando uma moeda digital encriptada que, até agora, não foi proibida por lei.

A criação desenfreada de dinheiro por parte dos grandes bancos privados gerou uma instabilidade esmagadora, atentando contra o princípio fundamental de que a criação de moeda deve servir o bem público. Não tem de ser assim. Com a implementação de salvaguardas que garantam que o crédito serve para fins produtivos e públicos, os responsáveis políticos podem alcançar o crescimento económico estável e sustentável, sem endividamento.

Karl-Theodor zu Guttenberg é presidente do Spitzberg Partners e ex-ministro alemão da economia. Richard Werner é professor de Banca Internacional e director do Centro de Banca, Finanças e Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Southampton.

 

 

Para visitar a fonte da informação, clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 22:09

Son of a Gun: Filme de Ewan McGregor como criminoso ganha trailer

Quarta-feira, 27.08.14

Ewan McGregor ( Peixe Grande E Suas Histórias Maravilhosas) e Brenton Thwaites (Malévola) são os protagonistas do longa australiano Son of a Gun (ainda sem título no Brasil), que acaba de lançar seu primeiro trailer.

 

O drama segue a trajetória do criminoso mais procurado da Austrália (McGregor) e seu jovem protegido (Thwaistes). Jacek Koman (Moulin Rouge - Amor Em Vermelho) e Alicia Vikander (O Amante Da Rainha) também estão no elenco do filme dirigido por Julius Avery.

 

Son of a Gun estreia em outubro na Austrália e ainda não tem data de lançamento no Brasil.

 

 

In' yahoo

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 23:26

PT volta a subir valor de mercado

Quarta-feira, 27.08.14

Depois das fortes quedas em bolsa devido ao incumprimento do empréstimo à Rioforte, a Portugal Telecom voltou a subir o seu valor de mercado.

Tudo porque a Oi, em processo de fusão com a telecom portuguesa, está a preparar uma oferta de compra da TIM, a segunda maior operadora de telecomunicações do Brasil.

É uma reviravolta para os acionistas da PT, a menos de duas semanas da Assembleia Geral para votar os termos da fusão.

No comunicado enviado ao regulador, a Oi assume ter contratado o banco BTGpara preparar a proposta de aquisição da participação da Telecom Italia na TIM.

Não se sabe a percentagem que está na mira da Oi, mas a Telecom Italia é dona de 67% da TIM, uma posição avaliada em 6100 milhões de euros.

Se o negócio avançar, a operadora resultante da fusão entre a PT e a Oi pode aumentar exponencialmente.

Em apenas dois dias, a PT já valorizou 13% em bolsa. A Oi soma mais 17% de ganhos.

 

 

In' tvi24

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 22:57

Luz vermelha misteriosa confunde pilotos do vôo entre Hong Kong e Alaska

Terça-feira, 26.08.14

 

Um piloto e o seu co-piloto fotografaram uma luz vermelha e cor-de-laranja sobre o Oceano Pacífico, ontem à noite, no vôo que fazia a ligação entre Hong Kong e Anchorage, no Alaska. De acordo com o piloto holandês JPC van Heijst, as luzes apareceram a meio do vôo de dez horas, por cima da península russa de Kamchatka.

 

Ao PBase, o piloto explicou que a luz era intensa e brilhante, uma espécie de relâmpago gigantesco vermelho, visto a uma grande distância. “Ontem à noite, no Oceano Pacífico, algures na península russa de Kamchatka, experienciei uma das coisas mais arrepiantes da minha carreira como piloto”, explicou van Heijst.

 

De acordo com o profissional, esta espécie de explosão foi seguida de uma sequência vermelha e cor-de-laranja, cerca de 20 minutos depois, o que o deixou perturbado. Van Heijst já pôs de lado a hipótese das luzes pertencerem a barcos de pesca, inclinando-se mais para a possibilidade de uma explosão vulcânica subaquática.

 

“Não faz sentido estarmos a falar de barcos de pesca nesta área”, explicou van Heijst. De qualquer forma, seria preciso uma frota de pelo menos 50 barcos para tal espectáculo de luz.

 

“À medida que ficámos mais perto a luz tornou-se mais intensa, iluminando as nuvens e o céu de um laranja assustador – numa parte do mundo onde não é suposto existir nada mais do que água”, continuou.

 

O fenómeno não foi relatado por nenhum outro avião. “Tudo correu bem e não chegámos a encontrar cinza no céu, como temia”, continuou. “Reportámos as nossas observações e estão a investigar o fenómeno. Espero que tenha sido criada uma nova ilha e que ela tenha o meu nome. Fui eu quem a descobri”, gracejou.

 

O fenómeno está já a ser investigado, até porque não terá sido gravada nenhuma tempestade naquela zona. Recorde-se que, a 21 de Novembro, uma explosão vulcânica subaquática criou uma nova ilha na costa japonesa, pelo que o fenómeno não é invulgar – ainda que raro.

 

 

 

Para visitar a fonte da informação, clique aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 22:10

Candidata a Miss BumBum 2014 - Ana Flávia Magalhães

Sábado, 23.08.14

Foto: Reprodução via internet

 

 

 

Como candidata a Miss BumBum 2014, Ana Flávia Magalhães, é a nossa preferida!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 13:10

Paços de Ferreira vs FC Porto - Online

Sábado, 23.08.14

Se assim o desejar, o jogo entre o Paços de Ferreira e o FC Porto, a contar para a 2.ª Jornada da Primeira Liga, pode ser visto através de um dos links abaixo indicados.

 

  

Transmissão agendada para as 18:00

 

 

Link:»»» Paços de Ferreira vs FC Porto - Online

Link:»»» Paços de Ferreira vs FC Porto - Online

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Publicado por Planeta Cultural às 12:53



Pesquisar

 


subscrever feeds



Contacto

planetacultural@sapo.pt


Comunicado aos nossos leitores

1- Planeta Cultural é um Blog que tem por objectivo prioritário a divulgação do que de melhor vai acontecendo em Portugal e no mundo, compreendendo nomeadamente a apresentação de algumas imagens, textos, compilações / resumos com origem ou preparados com base em diversas fontes, em particular nas páginas da Internet e motores de busca, publicações literárias ou de órgãos de Comunicação Social, que nem sempre será viável citar ou referenciar. Convicto da compreensão da inexistência de intenção de prejudicar terceiros, não obstante, agradeço antecipadamente a qualquer entidade que se sinta lesada pela apresentação de algum conteúdo, o favor de me contactar via e-mail (constante no meu perfil público), na sequência de que procederei à sua imediata remoção.

2 - Os comentários expressos neste "Blog", vinculam exclusivamente os seus autores, não reflectindo necessariamente a opinião nem a concordância face aos mesmos do autor deste sítio, "Blog", pelo que, publicamente aqui declino qualquer responsabilidade sobre o respectivo conteúdo. Reserva-me também o direito de eliminar qualquer comentário que possa considerar difamatório, ofensivo, calunioso ou prejudicial a terceiros, bem como textos de carácter promocional que também poderão ser excluídos.

Atenciosamente;

---------------------------------R. C.
-------------Administrador do Planeta Cultural

Quantos nos visitaram desde 13FEV2016?



Pág. 1/4